Como usar atividades acadêmicas no currículo

Nesse post, você vai aprender como usar atividades acadêmicas no seu currículo profissional!

O currículo é o terror de todo jovem em início de carreira.

Como ser chamado para uma entrevista sem ter experiência profissional para criar um CV atrativo?

Para não ficar uma página em branco, muitas vezes o currículo começa a ser preenchido com inúmeras informações irrelevantes.

Se você se identificou com essa situação, saiba que as atividades acadêmicas são a melhor forma de tornar seu currículo mais atrativo. Além disso, mostra para o recrutador que experiência você tem de sobra 🙂

Experiência não vem só da CLT!

Você pode ainda não ter trabalhado com registro em carteira ou feito um estágio, mas isso não significa que você não tem experiência!

Atividades acadêmicas, trabalhos voluntários e freelas são experiências concretas! Elas demonstram que você está formação e desenvolvendo habilidades. Mesmo sem experiência formal, você está no caminho para se tornar o profissional que tanto deseja ser!

Atividades acadêmicas no currículo – como usá-las a seu favor

Atividades acadêmicas no currículo representam o aprimoramento da sua formação básica. São recursos que complementam o seu perfil profissional e a sua formação como cidadão.

Elas servem como um complemento ao currículo dos cursos de graduação, além serem experiências extras adquiridas durante a formação. Podem ser tópicos avançados de estudos, atividades práticas na profissão e aprofundamento de conhecimentos científicos.

A formação acadêmica é extremamente importante no currículo, já que ali que está o seu “ouro”. Dessa forma, ela tem o potencial de diferenciá-lo de outros candidatos.

Em cada atividade acadêmica realizada, é importante informar sua função, o projeto, curso, a pesquisa e cargo (se for o caso). Então, você precisa descrever as atividades realizadas – assim como se faz com qualquer experiência profissional.

Entenda como cada atividade conta como experiência no seu currículo!

Intercâmbio

Sua vivência internacional é um ponto extra, além de ser uma das atividades acadêmicas que mais dão prestígio. Da mesma forma, a realização de um intercâmbio é o melhor indicador de domínio sobre uma língua estrangeira.

Cursos, pós-graduação, cursos de verão e trabalhos realizados fora do país, mesmo que não remunerados, são válidos para incluir no currículo.

dica do bettha: viagens turísticas não contam como experiência profissional, ok?

Premiações

Se você já recebeu algum prêmio, menção especial ou outro tipo de reconhecimento, inclua no seu currículo. Esse mérito conquistado demonstra diversas qualidades suas ao recrutador.

Afinal, antes de se ganhar reconhecido em algo, você teve bom planejamento, comprometimento, disciplina e dedicação. Essas são qualidades necessárias que todo profissional deve ter para ser bem-sucedido.

Iniciação Científica

Produzir um artigo científico é um trabalho árduo e meticuloso que exige tempo e muita dedicação. Realizar uma iniciação científica o coloca no cerne da pesquisa, além de o ajudar a seguir carreira acadêmica.

Esse tipo de trabalho aprimora técnicas investigativas e de pesquisa, análise e tratamento de dados e produção de conteúdo – habilidades extremamente relevantes em qualquer área de atuação.

Essa é uma excelente forma de sair na frente dos demais candidatos, principalmente se o seu tema de pesquisa for relacionado com a área de atuação da vaga pretendida.

Monitorias

A monitoria acadêmica é uma atividade que abrange várias funções. Nela, um professor seleciona um aluno bolsista para auxiliá-lo no decorrer de uma matéria da grade horária da graduação.

Além de fortalecer o conhecimento adquirido no curso, também permite o desenvolvimento da comunicação e relacionamento interpessoal, responsabilidades cotidianas, além de demonstrar bom desempenho acadêmico.

Bolsas estudantis

As bolsas estudantis são concedidas com a análise de muito critérios. Se você foi beneficiário de uma, já está em vantagem! Esse é um excelente indicador de qualidade do seu projeto e do seu desempenho acadêmico.

Entidades estudantis

Se você trabalha no centro acadêmico, na atlética ou empresa júnior do seu curso, saiba que essas experiências também contam como atividades profissionais.

Essas atividades são um “test-drive” do cotidiano em empresas e organizações. Nelas ocorrem a orientação e capacitação dos estudantes, rotinas de planejamento e gestão, além de integração estudantil, organização de atividades esportivas, eventos e cursos, assim como projetos de consultoria e muito mais.

Exemplo: Modelo de currículo com atividades acadêmicas

Abaixo você encontra um modelo de currículo desenvolvido pela USP, e você pode baixar a versão completa aqui. Ele te ensina a organizar as suas atividades acadêmicas no CV tópico por tópico!

  1. IDENTIFICAÇÃO
  2. QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL
  3. PRODUÇÃO CIENTÍFICA
  4. PARTICIPAÇÃO EM OUTRAS ATIVIDADES DE PESQUISA
  5. ATIVIDADES PROFISSIONAIS
  6. OUTRAS ATIVIDADES RELEVANTES

6 Dicas para deixar o seu currículo nos “trinques”

  1. Em vez de descrições sobre experiências relacionadas ao intercâmbio, informe resultados dessas experiências. Dessa forma, relate aquilo que você aprendeu.
  2. Cursos, experiências e formações deve serem inseridos do mais recente para o mais antigo.
  3. Não inclua os nomes das escolas que frequentou no ensino fundamental e médio, pois elas são irrelevantes a essa altura do campeonato.
  4. Não minta, jamais.
  5. Organize as informações no currículo de modo que dê leitura e seja fácil identificar cada informação. Trabalhar com tópicos oferece uma leitura melhor 🙂
  6. Foque nas suas qualificações e habilidades desenvolvidas.

As atividades acadêmicas no seu currículo te apresentam como profissional perante o mercado de trabalho. Além disso, Exemplovalorizam as suas habilidades e aprendizados. Não desvalorize essas oportunidades!

Da mesma forma, não se diminua por não ter “aquela bagagem” profissional. Tudo ao seu tempo, jovem 🙂

Há diversas empresas com vagas incríveis em busca de jovens profissionais! Esse pode ser o primeiro passo bem-sucedido para a sua carreira. Cadastre-se aqui e venha mudar de vida! 😉

Fontes: Guia do Estudante / Quero Bolsa / Sociedade Saber / UOL / USP / Vagas.com

Descobrindo Áreas #2: Marketing, Vendas e Customer Success

O que faz a área de Marketing? E Vendas? E Customer Success? Por que elas precisam estar sempre alinhadas? Se liga no post e #descubra!

O descobrindo áreas é uma série do bettha que te ajuda a entender um pouco mais sobre o que faz cada área em uma empresa!

Oi menines, turu boum? Estamos de volta com mais um post da Série Descobrindo Áreas!

Essa série é pra você, jovem Padawan profissional, que tem um total de ZERO IDEIAS do que gostaria de fazer dentro de uma empresa. Por isso, em cada post, nós falamos um pouquinho de algumas áreas bacaninhas pra te dar uma luz nessa missão!

Nessa edição, vamos falar do trio de áreas que lidam com a jornada de compra do consumidor: Marketing, Vendas, e Customer Success. Essas três áreas são primordiais dentro de uma empresa, e precisam estar sempre com as informações e estratégias alinhadas. Assim, todas podem ter o melhor desempenho possível – batendo as metas tudo e deixando todo mundo feliz!

Fica ligadão e não marca bobeira! Quem sabe você não se apaixona por uma dessas áreas, heim? ;D

O que faz a área de Vendas?

Vende, ué. kkkk

Parece bem intuitivo, né não? Mas ó, vou te contar uma coisa: vender não é a única função do time de Vendas.

A área de vendas é altamente estratégica dentro da empresa. É através dela que a empresa entra em contato com o mercado. O representante de vendas, que está “em campo”, levanta informações sobre os consumidores. Com essas estatísticas em mãos, os administradores da companhia podem traçar metas e planejar o futuro. Demais, né?

Curtiu a vibe de Vendas e quer aprender como se dar bem na área? Então se liga nessas 13 dicas pra ser um vendedor de sucesso!

O que faz a área de Marketing?

A área de Marketing é responsável por todas as ações e estratégias que buscam adequar os produtos/serviços da empresa às necessidades dos clientes. Pra conseguir fazer isso, os profissionais da área precisam ter mente analítica e curtir métricas e números. Dessa maneira, conseguem uma boa noção do mercado e do público-alvo da empresa.

A partir de uma boa análise de dados sobre o mercado, as ações dos marketeiros tem destino certo: o cliente com o fit – ou o perfil – para consumir o produto. Assim, a empresa oferece o serviço certo, pra pessoa certa, pelo preço certo e no lugar certo – o que aumentam as chances de fechar a venda!

O que faz a área de Customer Success (CS)?

A área de Customer Success (Sucesso do Consumidor, em PT-BR) é responsável pelo trecho final da jornada de compra. O objetivo da galera dessa área é garantir que o cliente fique pleno e realizado com o produto adquirido – ou seja, que suas necessidades sejam satisfeitas.

CS não é só joguinho

Você sabia que a aquisição de novos consumidores custa 7x mais que a retenção de antigos? Pois é, rapaziada. O CS existe exatamente pra garantir a alegria do cliente! Essa é a melhor maneira de fidelizar seu coração e continuar gerando renda para a marca.

Por quê essas áreas precisam de alinhamento?

Vem cá, jovem, vamos pensar um pouco. Sabe aquela tal “jornada do consumidor” que a gente citou nesse post? Então. Cada uma dessas áreas, Vendas, Marketing e Customer Success, trabalham em uma etapa da jornada. Assim, pra que todo mundo atinja o sucesso total, é preciso estabelecer um ciclo de trabalho que se retroalimente.

Resumindo…

Através de pesquisas, o Marketing define quem são os potenciais clientes da empresa – as personas – e iniciam ações de atração de leads – os potenciais clientes interessados no produto ou serviço.

Então, o time de Vendas “vai à campo” (o que não necessariamente significa sair do escritório) e busca estabelecer contato com esses leads. A partir da experiência com os clientes, conseguem mais dados sobre o mercado.

Quando o pessoal de Vendas fecha negócio, Customer Success faz o acompanhamento do pós-venda. A partir da interação com os clientes, conseguem indicar os perfis de clientes com melhores (e piores) fits – o “encaixe” do cliente com a solução do produto.

Então, é essencial que o time de Vendas conheça o perfil “ideal” do clientes para fechar negócios vantajosos ambos. O time de Marketing, para ser assertivo na produção de campanhas e ações de conversão de leads, precisa direcioná-las ao público específico do produto/serviço. Finalmente, o CS pode fidelizar o cliente de forma tranquilinha, porque as chances de o cliente curtir o produto da empresa serão bem altas <3


Assim, cada área pode contribuir – e muito! – com trabalho das outras. O bom alinhamento entre as áreas de Vendas, Marketing e Customer Success forma um circulo virtuoso de trocas de dados e experiências que permitem a adaptação do planejamento estratégico da empresa. E aí, com cada área se tornando mais eficiente e efetiva, a empresa consegue crescer melhor – e se consolidar no mercado.

Quais outras áreas você gostaria de conhecer aqui no Descobrindo Áreas? Compartilha com a gente nos comentários!

13 dicas para ser um vendedor de sucesso

O clássico vendedor engravatado que marcou a todos nós com uma imagem um tanto “antiquada” e chata, deixou de existir. Ok, ainda existem alguns por aí, mas a profissão como conhecemos está prestes a acabar. Nos últimos tempos, a área de vendas foi reformulada, o que ocasionou uma quarta revolução industrial: a Era do Cliente.

A Revolução Digital trouxe empoderamento aos clientes, o que fez com que os vendedores redobrassem sua atenção e se adaptassem à nova realidade.

O inside sales, onde não é preciso sair do escritório para vender, deu um novo ar a profissão de vendedor. Dessa forma, a ocupação, que permite bater metas através de ligações, voltou a ser desejada principalmente por jovens. As comissões generosas são o grande atrativo para que profissionais embarquem nesse mercado e façam carreira como vendedores.

Porém, para ser um vendedor de sucesso, é necessário entender que a capacidade de vender não é uma arte, mas sim um conjunto de habilidades e técnicas que provém de muito estudo, assim como qualquer outra profissão.

13 habilidades e práticas que todo vendedor de sucesso possui

A área de vendas, em expansão no Brasil, exige um perfil dinâmico, atento, curioso e comunicativo. Por conta das startups e empresas de tecnologia, o inside sales está se firmando cada vez mais em seus negócios. Confira as 13 habilidades importantíssimas para um vendedor de sucesso.

1. Escuta ativa

O vendedor está em uma posição que exige fortes habilidades de comunicação, o que não necessariamente significa falar. Na verdade, significa ouvir seus clientes e encontrar a melhor solução para eles – e não para o vendedor, por mais doloroso que isso possa ser às vezes.

O vendedor de sucesso não tenta convencer os clientes de que o produto ou serviço oferecido é bom. Em vez disso, ele começa ouvindo e descobrindo se o cliente em potencial é um bom “candidato” antes de saltar para a venda. Essa prática economiza tempo e dinheiro para ambas as partes.

É importante enxergar a perspectiva, os problemas e os objetivos do cliente. E a única maneira de entender tais coisas é através da escuta. No entanto, poucos vendedores dedicam tempo para ouvir. Se você ouvir atentamente um cliente ou potencial cliente, ele dirá exatamente o que precisa ou deseja, facilitando toda a jornada de compra.

Construir relacionamentos de longo prazo com os clientes envolve ter uma conversa produtiva e praticar a escuta ativa.

2. Resiliência e determinação

Profissionais de vendas precisam lidar constantemente com a rejeição. Geralmente, eles podem não ter retorno dos clientes em potencial e ficarem sem qualquer feedback depois de investirem tempo e energia em uma proposta ou pitch de vendas.

Vendedores que não desistem, mesmo após várias objeções do comprador, se tornam grandes líderes de vendas no futuro. Para ser um bom vendedor, você deve ter o poder de permanência, isto é, mesmo em um cenário incerto, você insiste em ficar e avançar.

Ser resiliente, determinado e trabalhar duro, tornará suas metas alcançáveis.

3. Empatia

Ser empático também é uma das mais incríveis habilidades que permitirem que o vendedor crie rapport – uma ligação de empatia – com clientes, antecipando suas necessidades e desejos.

Quando você é compreensivo, pode construir um melhor relacionamento com seus possíveis clientes. Entendendo verdadeiramente quais são as suas dores, poderá indicar quais são as melhores soluções.

A chave de sucesso para a empatia é ouvir com um ouvido imparcial – sem qualquer julgamento.

Um bom vendedor sabe o que o cliente quer antes mesmo de conhecê-lo e orienta-o para o produto ou serviço ideal. E vamos além: se o cliente tiver confiança de que o vendedor encontrará o produto perfeito, é negócio fechado e contrato assinado. O cliente ficará feliz, repetirá a compra e indicará novos clientes.

4. Preparação e planejamento

Para garantir uma boa call e personalização ao pitch, é importante dar uma boa pesquisa antes de conversar com o cliente. Além disso, a pesquisa prévia te ajudará a se preparar para possíveis objeções durante o processo de negociação.

Tenha em mente que qualquer interação com o cliente é uma negociação. Sendo assim, o vendedor deve ser preparar de algumas formas, como:

  • Fazer uma rápida análise SWOT (“Strengths”, “Weaknesses”, “Opportunities” e “Threats” ou “Forças”, “Fraquezas”, “Oportunidades” e “Ameaças”) para ajudá-lo a obter informações valiosas sobre o processo de negociação;
  • Pesquisar as principais contas do cliente, observando para quem estão vendendo em nível de empresa, setor e pessoal.

5. Ser automotivado e competitivo

Um bom vendedor deve ser automotivado e competitivo, são características que precisam estar no DNA. Alguns vendedores muito bem-sucedidos não gostam de pessoas. Porém, o desejo de ajudar os outros e as suas habilidades em vendas são o verdadeiro combustível para que essas pessoas batam suas metas e cresçam na profissão.

A motivação supera qualquer obstáculo.

6. Ler

O vendedor deve sempre estar em busca de atualização e novos conhecimentos para potencializar sua performance.

Há uma infinidade de livros sobre vendas, administração e negociação no mercado que são leituras obrigatórias para um vendedor, são eles: Receita Previsível, Spin Selling, A venda desafiadora, Cracking in the sales management code e o clássico Como fazer amigos e influenciar pessoas.

7. Acreditar no que se está vendendo

É mais fácil vender um produto quando você realmente acredita nele. Os vendedores mais eficazes realmente usam seus produtos e acreditam em seu valor.

8. Ver o sucesso do cliente como seu

O bom vendedor não irá vender algo que não atende a necessidade do cliente. Mas ele será honesto e dará opções viáveis.

9. Concentrar-se na qualidade, não na quantidade

Os vendedores medianos geralmente fecham muito mais vendas do que aqueles de melhor desempenho. O segredo está em focar na qualidade das vendas, não na quantidade.

Os vendedores de sucesso só vão atrás de vendas realmente grandes. Eles geralmente exigem a mesma quantidade de trabalho que os pequenos, mas seu pagamento geralmente é muito maior.

10. Não agir na base do desespero

Mesmo nos cenários mais extremos, vendedores de sucesso nunca devem agir desesperadamente. Em todas as reuniões de vendas, você deve parecer financeiramente seguro, bem-sucedido e confiante.

Quando um cliente em potencial acredita que você não precisa dele, ele se sentirá muito mais atraído por você e mais inclinado a confiar no que você tem a dizer.

11. Dominar métricas

Saber vender é excelente, mas deve-se entender as vendas.

É necessário enxergar toda a negociação e as métricas que dão luz a todo ciclo de vendas. Assim, você poderá mensurar se o pitch de vendas é bom ou não, se os contratos estão sendo assinados, qual é o lifetime value – o valor do tempo de vida do cliente -, dentre outros indicadores.

12. Ser organizado

Trabalhar com vendas é trabalhar com um grande volume de contatos e informações. Todo vendedor de sucesso é organizado, e não deixa “a peteca cair”. Dessa forma, consegue manter todos os potenciais clientes engajados enquanto se está dentro do ciclo de vendas.

13. Sabe trabalhar em equipe

Vendedores com pensamento pequeno acreditam que, para se ter o nome no “hall da fama” deve trabalhar solitário, até mesmo quando possui sua própria equipe. Essa abordagem só irá isolá-los, e talvez não traga o resultado.

Por exemplo, se você está tentando, sem sucesso, falar com o CEO de uma grande empresa, pergunte ao seu líder de vendas se ele pode colocá-lo em contato.

Use o conhecimento de sua equipe para fechar mais negócios. Você aprenderá habilidades valiosas ao longo do caminho!


Para ser um vendedor de sucesso, você deve ter objetivos bem definidos. Além disso, deve saber lidar com as objeções diárias com jogo de cintura, calma e paciência. Acreditar que a sua profissão de fato ajuda pessoas a solucionarem seus problemas mostrará o real valor do seu trabalho. Esse será o combustível para acordar todas as manhãs preparado para mais um dia desafiador.

“As pessoas bem-sucedidas estão 100% convencidas de que são mestres do seu próprio destino, não são criaturas de circunstâncias: elas criam circunstâncias, se as circunstâncias ao seu redor forçam para que elas mudem”.

– Jordan Belfort, O Lobo de Wall Street

Como receber o feedback como um profissional

Mesmo quando o feedback é dito o mais delicadamente possível, aceitar críticas construtivas pode ser brutal para alguns. Todos nós preferimos que nos dissessem que o nosso trabalho é impecável, né?

No entanto, o feedback é inevitável – e estar aberto à críticas é chave crucial para o sucesso em sua vida profissional (e pessoal também). Uma boa reação, além de mostrar que você é humilde e está disposto a considerar as sugestões de outras pessoas, permite desenvolver seu trabalho. Dessa forma, você se torna um profissional muito melhor.

Aqui estão algumas dicas para você receber o feedback da melhor forma possível:

1. Reconheça boas intenções

Nós tendemos a recuar com a suspeita de algo que não se assemelha a um elogio entusiasmado. No entanto, se você quiser se tornar um profissional melhor, o primeiro passo é reconhecer a boa vontade de quem está oferecendo essa sugestão.

O seu líder não está fornecendo esses conselhos de melhorias com a intenção de ferir seus sentimentos. Na verdade, ele espera que, com o feedback, você possa ser cada vez melhor, tornar o seu trabalho cada vez mais significativo.

Então, ao invés de ficar chateado ou estressado por dentro, respire fundo e lembre-se que esta pessoa está apenas tentando ajudar – e isso é louvável.

2. Ouça ativamente

“Eu acho que você está fazendo um bom trabalho, mas …”

Você já ouviu isso antes, certo? Se você for como a maioria das pessoas, ouvirá as primeiras palavras e paralisará após o temido “mas”. Afinal, a mente começa a pensar de maneira obcecada com o fato que o trabalho não está assim… “aquela Brastemp”.

Não há como se beneficiar efetivamente de um feedback se você não o escuta por completo. Você precisa se manter comprometido e ouvir todos os pontos que o seu líder tem a fazer. Assim, você poderá retornar ao seu trabalho com o máximo de clareza e orientação possível para fazer as mudanças necessárias.

3. Faça perguntas

Quando você pensa em receber um feedback, é fácil achar que isso significa se sentar em silêncio e aceitar tudo o que for apontado pelo seu valor aparente. Mas nem sempre esse é o caso. Embora as sugestões de outras pessoas mereçam consideração, não há nada de errado em fazer perguntas sobre os apontamentos – na verdade, você deve ter uma discussão saudável para garantir que todos estejam na mesma página 🙂

Por exemplo, se o seu líder recomendar que você altere uma parte da sua apresentação, não hesite em perguntar por que ele acredita que isso seria uma melhoria. Ou, caso ele lhe diga que gostaria que você tomasse mais iniciativa em projetos em grupo, pergunte sobre as maneiras pelas quais ele acredita que você poderia fazer isso. Dessa forma, você estará plenamente esclarecido sobre o que precisa fazer.

Fazer perguntas depois de receber críticas mostra que você está levando as observações a sério, que você está buscando entendê-las e usá-las em prol do seu crescimento.

4. Resuma o feedback

Quando você está recebendo o feedback, é fácil ocorrer confusão. Portanto, para evitar que a mensagem seja mal compreendida, resuma o feedback que foi oferecido.

Isso pode ser algo como:

“Para esclarecer, você acredita que a apresentação seria mais forte se eu criasse gráficos para destacar os resultados, em vez de apenas listá-los em pontos?”

Dessa forma, você garante que o entendimento correto do que precisa melhorar antes de arregaçar as mangas e fazer as alterações.

5. Seja grato

Pode parecer contra-intuitivo agradecer a alguém por apontar uma lacuna que dará mais trabalho para você. Mas agradecer é uma coisa importante a se fazer depois de receber um feedback.

Lembre-se, existe a crítica construtiva irá ajudá-lo. O seu líder poderia deixar a sua apresentação ou projeto passar em um estado de mediocridade? Sim! No entanto, ele dedicou o próprio tempo para te oferecer uma visão diferente para melhorar a situação – e isso é merecedor de um genuíno “obrigado!

6. Acompanhamento

O feedback nem sempre é periódico. Se você está realmente com o objetivo de usar as sugestões dadas, não é má ideia basear-se em seu progresso no futuro.

Se o seu líder recomendou uma mudança em sua abordagem, agende uma conversa futura com ele para debater o progresso que você fez. Ou, se a sugestão foi um ajuste no seu relatório, pegue um feedback das alterações.

Como diz o velho clichê, as ações falam mais alto que palavras. Então, provar que você usou esse feedback vai falar muito sobre sua atitude em relação ao seu profissionalismo.


O feedback é inevitável e essencial para o crescimento. Ele existe para ajudá-lo a ser melhor em seu trabalho – o que significa que você precisa aprender a aceitá-lo e implementá-lo no seu dia a dia.

Isso pode parecer mais fácil falar do que fazer, mas não precisa ser tão complicado. Use essas dicas para começar a levar as críticas construtivas a sério e você com certeza irá crescer 😉

8 dicas para lidar com chefes difíceis [NSFW]

Antes de começar a leitura, só um toque: não leia no trabalho para evitar maiores conflitos, ok? Quem avisa, amigo é! Dado o recado, agora fica por sua conta e risco.

O trabalho torna-se a nossa segunda casa, já que geralmente passamos mais tempo com os nossos colegas de trabalho do que com a nossa família. Tudo poderia correr bem suavemente, mas nem sempre as coisas rolam assim.

Quero matar meu chefe, mas antes vou ler esse artigo

A cultura organizacional tem estado em cheque nos últimos tempos, já que todo mundo fala em maior flexibilidade no ambiente de trabalho. Isso coloca os chefes à prova para que eles se tornem líderes de verdade.

Infelizmente, vez ou outra, temos de lidar com chefes enrustidos de líderes.

Lidar com essa casca grossa diariamente pode ser um tormento. Aí você só tem duas saídas: se demitir – o que quase nunca está em questão – ou usar as nossas incríveis táticas para aprender a conviver com a criatura da maneira mais respeitável possível!

Tática 1 – Não leve para o pessoal

É difícil, sabemos bem. Mas tente entender que o comportamento do seu chefe pode ser devido a medo, pressão no trabalho vindo do superior dele, insegurança ou frustrações pessoais. Não é nada relacionado a você. É um problema dele – e só dele.

Tática 2 – Comunique-se da melhor forma

Redobre a atenção na hora de se comunicar com o seu chefe. Seja o mais claro e objetivo possível para que não caiba segundas interpretações – o que nos leva a terceira tática.

Tática 3 – Formalize TUDO

Conversou com o chefão e algo foi combinado? Formalize por escrito. Envie aquele e-mail maroto para evitar esquecimentos (da sua parte ou da dele) ou para que algo combinado verbalmente não seja usado contra você mais tarde. Formalizar tudo via e-mail é uma tática que você deve levar para a vida. O combinado não sai caro, já dizia os nossos pais.

Tática 4 – Tente ver o outro lado

As vezes o seu chefe está passando por um período conturbado na vida sem lidar emocionalmente bem com isso. Aí, ele passa a se comportar como um troglodita. Pessoas são falhas, e errar é humano. Tenha paciência.

Tática 5 – Finja demência

Pare de se irritar com o seu chefe e azedar o seu humor logo pela manhã! Ele é do jeito que é, portanto, se você se irritar toda vez que ele fizer algo, você vai se irritar sempre. Finja demência e evite entrar em conflitos. Brigas não vão resolver o problema ou fazê-lo mudar de comportamento, pelo contrário, só irá aumentar a fúria dele. Então, para não aumentar a sua, releve.

Tática 6 – Cumpra com as suas obrigações

Faça o seu trabalho da melhor forma possível, entregue tudo dentro do prazo e evite de todo jeito dar qualquer motivo para ele reclamar. Algum job vai atrasar? Avise com antecedência e informe o motivo.

Tática 7 – Não queime oportunidades

No calor do momento falamos muitas coisas que não devemos. Quando for assim, vá respirar um ar fresco e colocar a cabeça no lugar. Não queime futuras oportunidades por causa de um momento. Mais tarde, esse mesmo chefe pode te ajudar em alguma promoção. Se você respondê-lo na mesma moeda, ele pode te queimar e até causar a sua demissão. Namastê.

Tática 8 – Imponha limites

Apesar de estarmos te aconselhando a relevar, isso não significa que você deve abaixar a cabeça em situações extremas como xingamentos, ofensas, assédio e outras situações semelhantes. Você pode impor respeito sem precisar ser desrespeitoso como ele. Por mais que você precise do emprego, não se coloque em situações degradantes, tá bom?

Nenhum CNPJ vale um AVC #fikdik


Coloque essas táticas em prática e dê tempo ao tempo, você provavelmente verá uma mudança positiva acontecer. Pode não ser uma mudança no seu chefe, mas com certeza uma mudança acontecerá com você 🙂

Se o bicho pegar, procure hoje mesmo uma empresa que dê match com você <3

Carreiras Exponenciais: O que é preciso para acelerar o seu crescimento profissional?

O mercado de trabalho vêm se transformando cada vez mais rápido. Essa é uma ótima oportunidade para construir carreiras exponenciais. 

Nos dias de hoje, é cada vez mais comum vermos empresas crescer num ritmo acelerado que não víamos antes. Diante disso, vemos também pessoas que têm as suas carreiras ascendendo de maneira exponencial num curto espaço de tempo.   

As novas gerações que acabaram de entrar no mercado de trabalho, já entram com outro mindset: eles querem crescer rapidamente na carreira. Mas, será que isso é visto com bons olhos pelas empresas? Segundo o Fabrizio Gutiérrez, VP de Cultura e Pessoas da Apex Partners, a questão é vista com naturalidade:

“A geração dos nossos pais buscava estabilidade no trabalho. Depois veio a geração X, que são os workaholics. Depois, a geração Y, que quer as coisas para ontem e procura entregar impacto social e deixar legado. E, por último, a geração Z, que são os nascidos a partir do ano 2000: eles são ainda mais preocupados com seu impacto no mundo, são mais rápidos e ansiosos” 

Mesmo sabendo que as gerações vão se modificando, é importante ter claro que tudo tem um tempo. Não há como entrar na empresa como trainee e depois de um ano virar diretor. É necessário aprender e vivenciar o trajeto todo com maturidade. Ainda assim, é possível ter uma carreira sólida e um crescimento exponencial.  

Carreiras Exponenciais

A seguir, listamos alguns pontos fundamentais para quem quer ter uma carreira com crescimento exponencial, são eles:

  • É fundamental aprender a aprender: tudo muda muito rápido, por isso, temos que estar sempre dispostos a aprender coisas novas. Aprender a desaprender também é uma lição, afinal, não é mais só atualizar alguns conhecimentos, mas sim mudar completamente alguns padrões de raciocínio.
  • Ter um propósito de vida muito bem definido. Se você não tiver um horizonte, você vai fazer coisas apontando para todos os lados. Pense na sua carreira e onde você quer chegar. O que você quer? Isso é o principal.  
  • Estude muito! Não se contenha somente com o que você aprendeu na faculdade. A faculdade não supre todas as nossas necessidades e muitas coisas mudam no período em que você faz o curso. Então, procure sempre estar em contato com novos desafios e aprendizados.  
  • Estabeleça metas diárias: acorde com metas definidas. Pense: o que eu vou fazer primeiro? O que demanda mais o meu tempo? Quando eu tenho mais energia para fazer as coisas mais difíceis? Planeje e saiba priorizá-las.
  • Assuma projetos! Veja a área que você está e pense “o que eu posso fazer para resolver esses problemas”? Além de te dar protagonismo, te dá visibilidade. Mostrar que você está ali e disposto é importante para você ser notado.  

Seguindo estas dicas, você estará melhor preparado para uma carreira exponencial.  

Quer saber mais sobre isso? Fizemos um webinar sobre o tema “Aceleração de Carreira – Como se planejar para ter uma carreira exponencial”, com o VP de Cultura e Pessoas da Apex Partners, Fabrizio Gutiérrez. Para assistir, é só clicar nesse link aqui.  

 

Como se sair bem em uma entrevista: veja 9 dicas!

Encaminhou diversos currículos e foi convidado para a entrevista? Que ótimo, isso já é motivo para comemorar! Afinal, significa que você já passou por um funil e agora efetivamente faz parte do processo seletivo. Mas, só de pensar fica com borboletas no estômago e com as mãos trêmulas? Calma! Uma das dicas de como se sair bem em uma entrevista de emprego é respirar fundo e deixar o nervoso de lado.

Quer saber mais algumas orientações de como chamar atenção do recrutador durante o processo de seleção? Fique aqui que a gente te conta.

9 dicas como se sair bem em uma entrevista de emprego

1. Escolha roupas adequadas

Esse é um fato simples mas que deve ser tratado com muito cuidado, pois pode fazer a diferença. Um dos principais dilemas e dúvidas de como se sair bem em uma entrevista de emprego está associado com a escolha da roupa. Será que uma calça jeans e uma camiseta é uma boa opção? E no pé, sapatênis, sapatilha ou salto? Qual a melhor opção? Pesquisar sobre o dress code da empresa é uma carta na manga. Mas, na dúvida, aposte em uma combinação mais social.

2. Mantenha a calma

Por mais difícil que seja colocar esta dica em prática, ela é uma das mais importantes. O nervosismos é o maior inimigo de quem quer se sair bem em uma entrevista de emprego. Mas, ele pode e deve ser controlado. Quando em excesso passa uma má impressão ao recrutador, de instabilidade e insegurança. É preciso mostrar-se confiante e seguro de si, isso eleva sua credibilidade e capacidade de jogo de cintura para lidar com situações inesperadas. Mas, como manter a calma diante de uma situação dessas? A dica é tentar relaxar antes mesmo de ir a entrevista. Alimente-se bem, faça algo que goste, medite e respire fundo. Confie em você e tudo dará certo.

3. Demonstre interesse

Mostre que você realmente quer aquela vaga e que é a melhor opção. Olhe nos olhos, fale com vontade, sorria, exemplifique e deixe claro para o recrutador o seu interesse. Afinal, pessoas interessadas encantam e chamam atenção de qualquer um. Essa é uma dica de mestre de como se sair bem em uma entrevista de emprego. Use-a!

4. Valorize seus pontos positivos

“Não tenho experiência nenhuma”… “Saí muito rápido do meu antigo emprego por problemas de adaptação”… “Ainda não terminei a faculdade”… Este não é o caminho! Você precisa focar e valorizar seus pontos positivos. Se mostre proativa, dedicada e responsável. Afinal, ninguém sabe tudo, mas quem realmente se sobressai é quem vai atrás do conhecimento. Mostre que você quer fazer acontecer e vai em busca de atingir os resultados. Valorize-se!

5. Prepare-se

Quer saber como se sair bem em uma entrevista de emprego? Prepare-se! Estude a empresa, se já souber quem irá entrevistá-lo, pesquise sobre esta pessoa também. Isso mostra que você está interessado na vaga e é proativo. Uma ferramenta que pode ser um grande aliado para você conseguir essas informações com mais facilidade é o Linkedin. Levar o currículo ou profile do bettha impresso também é uma forma de mostrar que você se preparou para a entrevista.

6. Tome cuidado com as palavras

Cuidado com as palavras é, sem dúvidas, uma dica de ouro de como se sair bem em uma entrevista de emprego. Nada de gírias! Palavras de baixo calão, em hipótese alguma. Use palavras que mostrem o seu repertório e conhecimento, pois este é um dos principais meios de avaliação em um processo seletivo.

7. Não minta

Outra dica de como se sair bem em uma entrevista de emprego é: Não mentir! O recrutador é um profissional formado e especializado para tal. Ele sabe exatamente quais são as perguntas ideais a se fazer, como fazer e identifica quando o candidato está criando histórias para se enaltecer. Se está inseguro por ter pouca experiência, superior incompleto, dentre outras situações. A dica é focar em seus pontos positivos e tentar levar a conversa para um outro lado, mas mentir, nunca.

8. Tenha postura

A linguagem corporal diz muito sobre como uma pessoa pensa e/ou está se sentindo. Lembre-se, desde o primeiro momento você está sendo avaliado! Sorria, olhe nos olhos de quem estiver falando, mantenha a postura ereta, todos essas ações serão vistas positivamente. Cruzar os braços, fazer movimentos bruscos, mostrar muito nervosismo ou sentar de qualquer jeito, são atitudes que não te ajudarão a se sair bem em uma entrevista de emprego

9. Seja você mesmo

A melhor estratégia é sempre ser nós mesmos! Não tente elaborar histórias e frases muito sofisticadas para impressionar pois você pode acabar se enrolando. Quanto mais natural agir, melhor fluirá a entrevista. Pense que é apenas uma conversa com uma pessoa super importante, e sua principal tarefa é impressioná-la por quem realmente você é. Respire fundo, capriche no visual, prepare-se, mostre interesse e as chances dessa vaga ser sua aumentarão.

E por último, lembre-se: o Bettha tá sempre aqui pra te ajudar a evoluir na carreira e estar cada vez mais preparado para o mercado de trabalho! Conta com a gente!

 

 

Um bate papo sobre aceleração de carreira: você sabe onde (e quando) quer chegar?

Planejar a própria carreira é fundamental! Tem aqueles que querem ir crescendo e aprendendo devagar, outros preferem empreender e tem também aqueles que querem um crescimento rápido e exponencial. Além de muito esforço, é necessário uma boa dose de autoconhecimento para conseguir reconhecer suas habilidades, seu momento de carreira e não perder o foco no seu objetivo. E quando o assunto é autoconhecimento e mercado de trabalho, o Bettha está sempre aqui para te auxiliar a fazer as melhores escolhas na sua carreira.  

Webinar: Acelaração de Carreira – Como se planejar para ter uma carreira exponencial

Pensando nisso, hoje (29), às 19h30, teremos um webinar sobre “Aceleração de Carreira – Como se planejar para ter uma carreira exponencial”, com o VP de Cultura e Pessoas da Apex, Fabrizio Gutiérrez. Nós iremos falar sobre as diferentes visões que as novas gerações têm de carreira e como são essas carreiras que crescem exponencialmente.  

Além de explicar sobre os assuntos que interpassam a questão principal do bate papo, também estaremos respondendo dúvidas dos nossos Betthas. Ah, uma pergunta eu já sei que vai rolar: você quer saber como fazer para acelerar a sua carreira, né? Hum… então, vamos te adiantar essa receita, para você ficar querendo logo o nosso bate papo de mais tarde.  

  • Primeiro de tudo: defina o seu propósito. Sem ele, você ficará perdido a tantas oportunidades e vai ser difícil chegar onde você quer rapidamente.
  • Segundo: Faça networking. Uma rede de pessoas e colaboradores é essencial para que seu trabalho seja cada vez mais valorizado e reconhecido.
  • Terceiro: Inove-se! Estar sempre aprendendo é fundamental, faça cursos e procure novos conhecimentos sempre.
  • Quarto: Leia! Faça dos livros os seus melhores amigos. Eles vão te ensinar, te questionar, te fazer pensar em novas possibilidades e abrir a sua mente.  

Essas dicas são fundamentais para conseguir estabelecer um plano para crescer e ser feliz na sua carreira. Nosso convidado falará muuuuito mais sobre esses tópicos (e muitos outros) ao vivo. Então, não perde! Prepare-se e mande a sua pergunta.
Nosso encontro é hoje (29) às 19h30, nesse link aqui.

Job Rotation: uma ótima oportunidade para descobrir habilidades

Já pensou que legal, você recém-admitido numa empresa que tenha tudo a ver com o seu estilo de trabalho, podendo se revezar em várias áreas diferentes?

Com certeza, em sua faculdade ou empresa, você já ouviu falar num processo chamado Job Rotation. Mas você sabe exatamente o que é?

O que é Job Rotation?

O Job Rotation é uma prática já muito adotada pelas empresas para ampliar o aproveitamento e aprendizado dos funcionários. Nesse processo, os novos funcionários podem ficar um tempo atuando em diferentes áreas da empresa.

O contratado pode ficar um pouco na área de produção, depois aprendendo com o pessoal do marketing, passando pelo financeiro, vendas, etc… Ele irá se revezar em diversas áreas durante um determinado tempo, com o objetivo de conhecer todos os processos e atividades especificidades de cada área, a fim de se tornar um profissional mais capacitado e com um alto nível de conhecimentos sobre as atividades da empresa.

Dessa maneira o profissional se torna completo, aprendendo na prática como funcionam todos os setores da empresa.

Todo este processo nos força a sair da nossa zona de conforto, afinal, é preciso buscar mais informações sobre a empresa, conhecer vários procedimentos diferentes, aprender a desempenhar diferentes habilidades. Além disso, este é um ótimo exercício para quem quer exercitar sua liderança e networking.

Atualmente, o Job Rotation é realizado em larga escala nos processos de estágio e trainee. E isso, justamente para que o recém formado possa perceber se a área em que se graduou é, realmente, onde há a sua maior identificação.

Está procurando vagas de estágio ou trainee? Clique aqui para dar uma olhada nas vagas do bettha! 

Esta prática vem sendo adotada para maximizar o aprendizado dos funcionários dentro da realidade do negócio. Com esse ritmo de trabalho, o funcionário estará sempre em movimento.

Você já trabalhou com Job Rotation alguma vez? Tem vontade de trabalhar com isso? Divide as suas experiências aqui com a gente!

 

5 carreiras que você pode seguir se fez administração

Em uma sala de aula da faculdade de administração, não existem apenas aqueles que sonham em trabalhar em uma grande multinacional. Administração é uma das carreiras mais procuradas no Brasil e pode se desdobrar nas mais diversas áreas.

Nos últimos 15 anos, o número de formados nesta graduação teve aumento de 182%. O curso navega entre várias áreas do conhecimento e isso faz com o que aluno tenha um pouco de conhecimento sobre cada tema. Depois de formados, os administradores tem condições de trabalhar em diversos setores.

Pensando nisso, listamos 5 carreiras que você pode seguir se fez administração. A variedade de opções é grande e por isso, é importante que cada pessoa entenda suas habilidades e estilo de trabalho para entender qual é a melhor oportunidade para si.

  1. Administração de Empresas

    Está é uma das opções mais óbvias quando pensamos em administração. O administrador de empresas é responsável por sua gestão, podendo atuar desde o planejamento e execução de estratégias até nos processo de fluxo de caixa e logística. Conhecimentos em contabilidade, marketing e gestão de pessoas serão necessários. O profissional que optar por essa carreira, poderá trabalhar em diversos setores: moda, gastronomia e tecnologia são alguns exemplos.

  2. Agronegócio

    Essa á uma ótima opção para quem se interessa por zonas rurais. Quem se especializa em administração de agronegócios geralmente trabalha com a gestão de empresas rurais. Além de administração, o profissional deve ter conhecimento em controle de safras e em agronegócio. As tarefas do dia a dia são variadas e passam por contratação de funcionários, gestão de recursos financeiros, controle dos processos envolvidos na produção agrícola e comercialização dos produtos.

  3. Marketing

    No marketing, o administrador irá atuar com o planejamento de estratégias para fortalecer a marca e aumentar os lucros de um negócio. Um exemplo de objetivo nesta carreira é o engajamento dos clientes. Para isso, o profissional deve conhecer as necessidades do seu público-alvo, e com base nesta informação, criar produtos e desenvolver campanhas direcionadas ao público da marca.

  4. Administração Pública

    Os administradores públicos podem atuar em órgãos municipais, estaduais ou federais, onde serão responsáveis pelo planejamento e gerenciamento de órgãos públicos. Um dos principais objetivos de quem segue essa carreira é o desenvolvimento, a supervisão e a avaliação de ações voltadas para atender às necessidades coletivas da população.

  5. Gestão Hospitalar

    Para gerenciar um hospital, é necessário ter conhecimento em administração, contabilidade e políticas públicas da saúde. É de responsabilidade do gestor hospitalar a organização da instituição – incluindo o controle do estoque e o descarte consciente do lixo produzido no hospital, a manutenção do espaço físico e a gestão dos colaboradores do local.

Além das carreiras que destacamos aqui, o administrador de empresas pode trabalhar em diversas outras áreas e dentro de uma mesma área, desempenhar diversas funções. Tudo isso graças ao currículo generalista dessa graduação.

Você quer empreender? Dá uma olhada nesse artigo aqui: O seu desejo é empreender? Vem ver essas dicas! 

Fica com você o dever de escolher a opção do que se adequá mais ao seu perfil profissional, mas fica tranquilo, você não precisa fazer essa escolha sozinho! O bettha está aqui pra te ajudar 🙂

Em nossa plataforma, você encontra mapeamentos de perfil que vão te ajudar a se conhecer melhor e diversas jornadas de conhecimento que farão com que você explore cada vez mais os seus pontos fortes.