Cultura Organizacional: qual delas combina com você?

Entender a cultura organizacional de uma empresa é extremamente importante para planejar a sua carreira

Se engana quem acredita que falar sobre a cultura da organização seja um papo apenas para RHs. Hoje, as contratações são feitas em mão dupla: ao mesmo tempo em que empresas escolhem candidatos, os candidatos escolhem a empresa na qual querem trabalhar.  

E a cultura organizacional tem tudo a ver com isso! Você já parou para pensar que ela rodeia grande parte dos aspectos que te fazem querer ou não trabalhar em uma organização?

É a cultura da organização que dita quase todas as experiências que você terá dentro de uma empresa, do seu salário ao seu dress code. 

Quer saber o que é Cultura Organizacional? Dá uma olhada no nosso post Cultura Organizacional: saiba como isso pode influenciar o seu crescimento profissional

Nesse post, falaremos mais sobre os tipos de cultura organizacionais que existem por ai, boa leitura! 

Como a Cultura Organizacional é inserida na empresa?

Antes de falarmos sobre os tipos de cultura organizacional, é importante falarmos sobre como elas são inseridas dentro de uma empresa.

Geralmente, os gestores de Recursos Humanos são os responsáveis por deixar claro a cultura organizacional da empresa, tanto para os colaboradores como, em parceria com o marketing, para os clientes finais também.

Existem algumas práticas utilizadas pelos profissionais para enraizar a cultura organizacional para a equipe, são elas:

  • Histórias: são contadas histórias e experiências vividas desde a fundação da empresa. Vale contar lembranças, dificuldades, eventos especiais, acertos e erros. Dessa forma, fica claro às equipes o por quê de certas práticas atuais.
  • Rituais e cerimônias: são as atividades que acontecem de tempos em tempos e ancoram os valores principais da empresa. Os mais comuns são as cerimônias de fim de ano, que costumam reunir todos os funcionários e são uma oportunidade para apresentações e ações que reforçam aspectos importantes da cultura empresarial.  
  • Símbolos materiais: A arquitetura do edifício, as salas e mesas, o tamanho e arranjo físico dos escritórios… todas essas coisas constituem símbolos materiais que definem algo sobre a organização. Os símbolos materiais constituem a comunicação não verbal e são muito importantes. 
  • Linguagem: Muitas empresas usam a linguagem como uma forma de identificação. As organizações desenvolvem termos próprios para descrever equipamentos, escritórios, cargos, clientes ou produtos. A maneira como as pessoas se vestem, por exemplo, também são uma forma de expressão da cultura organizacional.

Os tipos de Cultura Organizacional

Existem algumas classificações para diferentes formatos de cultura organizacional dentro das empresas:

  • Cultura do poder: As organizações que refletem essa cultura são as que concentram o poder de decisão em uma só pessoa, normalmente o dono da companhia ou o diretor da empresa. Como o poder de decisão fica concentrado em apenas uma visão, o crescimento da empresa pode ser limitado – e limitante – e não permitir o crescimento e desenvolvimento de habilidades dos colaboradores.
  • Cultura de papéis: Na cultura de papéis, o foco é ter regras, cargos e funções bem definidas. Diferente da cultura de poder, há mais espaço para gestores e equipes tomarem decisões, porém ainda há rigidez. Cada colaborador tem um limite de espaço onde pode atuar, sem sair da sua função estabelecida. 
  • Cultura de tarefas: As empresas que trabalham com a cultura de tarefas se destacam, pois o foco está na entrega de projeto. Na maioria das vezes, se dá liberdade aos especialistas das equipes para agirem da forma que quiserem, desde que cumpram a tarefa definida. Esse tipo de empresa costuma contratar profissionais especializados em resolver os problemas e trazer criatividade e soluções aos projetos, o que traz muito conhecimento à organização.
  • Cultura de pessoas: Nesse tipo de cultura, o colaborador é a prioridade, tendo espaço para dar ideias e pontos de vista que serão realmente levados em consideração. E o mais bacana é que essa cultura não se importa se você é estagiário ou diretor da equipe, se você apresentar uma nova ideia ou solução, ela será acolhida.

Vale lembrar que muitas vezes, uma empresa mescla diferentes aspectos de cada cultura organizacional para criar a sua própria. 

Agora que você sabe que existem diferentes tipos de cultura, fica mais fácil pesquisar sobre alguma empresa e identificar se você vai se sentir feliz, respeitado(a) e com vontade de crescer dentro da organização na qual você escolheu participar do processo seletivo.

Nós ficamos muito felizes que você possa ter contato com esse tipo de informação. Afinal, você tem valor e direito de escolher se quer dedicar sua energia à empresa que está te recrutando.

Job Rotation: uma ótima oportunidade para descobrir habilidades

Já pensou que legal, você recém-admitido numa empresa que tenha tudo a ver com o seu estilo de trabalho, podendo se revezar em várias áreas diferentes?

Com certeza, em sua faculdade ou empresa, você já ouviu falar num processo chamado Job Rotation. Mas você sabe exatamente o que é?

O que é Job Rotation?

O Job Rotation é uma prática já muito adotada pelas empresas para ampliar o aproveitamento e aprendizado dos funcionários. Nesse processo, os novos funcionários podem ficar um tempo atuando em diferentes áreas da empresa.

O contratado pode ficar um pouco na área de produção, depois aprendendo com o pessoal do marketing, passando pelo financeiro, vendas, etc… Ele irá se revezar em diversas áreas durante um determinado tempo, com o objetivo de conhecer todos os processos e atividades especificidades de cada área, a fim de se tornar um profissional mais capacitado e com um alto nível de conhecimentos sobre as atividades da empresa.

Dessa maneira o profissional se torna completo, aprendendo na prática como funcionam todos os setores da empresa.

Todo este processo nos força a sair da nossa zona de conforto, afinal, é preciso buscar mais informações sobre a empresa, conhecer vários procedimentos diferentes, aprender a desempenhar diferentes habilidades. Além disso, este é um ótimo exercício para quem quer exercitar sua liderança e networking.

Atualmente, o Job Rotation é realizado em larga escala nos processos de estágio e trainee. E isso, justamente para que o recém formado possa perceber se a área em que se graduou é, realmente, onde há a sua maior identificação.

Está procurando vagas de estágio ou trainee? Clique aqui para dar uma olhada nas vagas do bettha! 

Esta prática vem sendo adotada para maximizar o aprendizado dos funcionários dentro da realidade do negócio. Com esse ritmo de trabalho, o funcionário estará sempre em movimento.

Você já trabalhou com Job Rotation alguma vez? Tem vontade de trabalhar com isso? Divide as suas experiências aqui com a gente!

 

Empresas juniores e a construção de uma carreira de sucesso

As empresas juniores e a construção de uma carreira de sucesso

Ambientes desafiadores, desenvolver-se todos os dias, ter autonomia, trabalhar com algo que gere impacto na vida de alguém e na sociedade. Então, esses são alguns pontos que o jovem de hoje em dia acha importante quando o assunto é carreira. Por isso, a boa notícia é que as empresas juniores fazem o universitário desenvolver essas habilidades.  Saiba mais sobre empresas juniores e a construção de uma carreira.

Mas, se você ainda não sabe o que é ou como funciona uma empresa júnior, leia esse post o que é uma empresa júnior . 

Pensando nisso, listamos 5 motivos para você participar de uma empresa júnior: 

 

  1. Conhecimentos em prática!

    Mesmo com os exercícios, cases, oficinas, seminários e projetos feitos em sala de aula, é muito mais fácil colocar em prática toooodo aquele conhecimento teórico aprendido quando você vive a realidade da profissão. 

  2. Mercado de trabalho logo ali!

    Estar em uma empresa júnior é a possibilidade de se preparar para o mercado logo nos primeiros semestres da faculdade. Por isso, a experiência é ótima para os estudantes que acabaram de sair do ensino médio e nunca tiveram contato com o trabalho em uma empresa.  

  3. Líderes sendo desenvolvidos!

    Quem administra as empresas juniores são os próprios graduandos. Dessa forma, eles desenvolvem seu lado empreendedor, além de aprender na prática temas como gestão financeira e de qualidade, gestão de pessoas. Além disso, você desenvolve protótipos de novos produtos, atua com recursos humanos, consultoria e planeja projetos para as organizações.  

  4. Conhecer pessoas!

    O trabalho com clientes é uma oportunidade ótima para aumentar o networking. Portanto, os membros têm a oportunidade de ir à conferências, reuniões e aumentar a sua rede de relacionamento. 

  5. É um diferencial!

    Enriquece o seu currículo, isso é fato! Afinal, na empresa você passa por desafios e as situações enriquecedoras, chegando numa entrevista de emprego mais seguro e desenvolvido para ingressas no mercado de trabalho com mais capacidade.  

Empresa Júnior, você sabe o que é?

O que é uma Empresa Júnior?

Você já ouviu falar em Empresa Júnior? Caso você já tenha ouvido falar, mas tem dúvidas, vamos te explicar um pouco sobre como a instituição funciona. Porém, e você não sabe do que se trata, leia essa matéria e descubra essa super iniciativa. 

Empresa Júnior é uma instituição sem fins lucrativos que atua dentro das universidades e surgiu na França em 1967. Segundo dados da Confederação Brasileira de Empresas Juniores, existem 1.013 empresas juniores no Brasil, que ensinam um total de mais de 20 mil alunos.  

Como funcionam?

Elas oferecem aos alunos a oportunidade de colocar em prática o que é ensinado em sala de aula. Por isso, é uma oportunidade de aplicar os conceitos aprendidos. Dessa forma, é possível utilizar ferramentas, criar processo e estratégias de marketing, inovar, liderar equipes e muito mais. 

A base da E.J. é formada por uma ideia de negócio idealizada pelos alunos e supervisionados por professores. As empresas juniores da uma maior vivência aos alunos colocando-os em cargos e situações semelhantes ao que eles irão encontrar no mercado de trabalho.  

Qual a diferença dela para uma empresa comum?

Uma Empresa Júnior funciona muito próximo de uma empresa comum, eles têm até CNPJ. Só que, a maior diferença comparada as empresas comuns é a isenção de uma série de impostos, já que se trata de uma organização sem fins lucrativos.

Por isso, os membros não ganham salários. Mas, os projetos desenvolvidos nessas E.J. são e devem ter um custo financeiro para o cliente, mesmo que o valor seja bem abaixo do mercado tradicional, esse dinheiro é revertido para a própria instituição.  

Além de poder se desenvolver como profissional, fazer parte de uma Empresa Júnior faz diferença quando você quer entrar no mercado de trabalho convencional e começa a participar de processos seletivos.  

A imagem apresenta o resultado Colaborativo + Engajado de um teste Genius do Bettha, ideal para as vagas

Vagas na Novartis!

EI! Procurando vagas?

Atenção!

A Novartis está com seis vagas em aberto! Você vai perder essa?

Não, né? Então, confira abaixo as vagas!

A Novartis é uma mega empresa!
Primeiro, na área de cuidados com a saúde, oferecem soluções para atender as necessidades de pacientes no mundo todo. Por isso, eles se dedicam a usar inovação baseada em ciência para atender alguns dos problemas mais desafiadores da sociedade nos cuidados com a saúde.

Assim, eles descobrem e desenvolvem tratamentos inovadores para encontrar novas maneiras da cura chegar ao maior número de pessoas possível! São mais de 50 mendicamentos patenteados em seu portfólio. Além disso, são líderes globais em genérico e biossimilares, apresentando nessa área mais de 1.000 tipos de medicamentos.

Ah, eles também buscam proporcionar um retorno satisfatório aos acionistas que investem seu dinheiro, tempo e ideias em nossa empresa (é claro!).

São várias áreas disponíveis e muitas contratações!

Vem saber mais aqui: https://www.bettha.com/#/company/221