Como se destacar em uma dinâmica de grupo em 13 dicas infalíveis

Como se destacar em uma dinâmica de grupo em 13 dicas infalíveis

É na etapa de dinâmica de grupo que os candidatos podem mostrar suas características e habilidades para se destacar. Nesse post, nós reunimos 13 dicas incríveis para te ensinar como se destacar em uma dinâmica de grupo.

Para algumas pessoas, a fase de dinâmicas de grupo é ainda mais assustadora do que a entrevista individual. É um momento que você precisa impressionar o seu potencial empregador, mas também se concentrar em se destacar daqueles que o rodeiam – sem parecer rude. 

Embora esse formato pareça um tanto difícil de ser bem-sucedido, a dinâmica de grupo não tem tanta complexidade assim. Com uma dose de preparo é possível assumir um posicionamento confiante durante a dinâmica de grupo. 

Confira 13 dicas práticas para você passar com sucesso em uma dinâmica de grupo.

1. Seja você mesmo

Não queira ser uma pessoa que você não é. Caso você apele para a atuação, é muito provável que ela não seja convincente por muito tempo – colocando em risco a sua conquista pelo emprego. Além disso, o recrutador pode achá-lo forçado demais, podendo te riscar até de futuras oportunidades.

Tome cuidado também com a forma com a qual você se mostra. Sabemos que ninguém é perfeito – e ninguém espera contratar um profissional sem defeitos. Porém, sobre você mesmo – sobre suas qualidade e defeitos, fale de modo objetivo e claro. Atente-se ao como você apresenta as suas características negativas – lembre-se que sempre podemos melhorar!

2. Fale de conquistas, mas vá além dos números

Em uma dinâmica de grupo, nem sempre você conseguirá responder a todas as perguntas que forem feitas. Portanto, faça as suas respostas valerem a pena.  

Realce realizações e conquistas específicas – não apenas com números, mas também com um bom storytelling. Além disso, faça perguntas aos entrevistadores que mostrem que você está interessado na empresa.

3. Seja educado com todos

Concentre-se em ser educado e amigável com todos – não apenas com a equipe de RH. Juntamente com o conjunto de habilidades e qualificações, a equipe de contratação também analisa a sua capacidade de se comportar sob pressão, trabalhar com outras pessoas e demonstrar confiança. 

Procura-se candidatos que tratem todos com respeito e simpatia. Não candidatos que tentam se mostrar superiores aos outros.

4. Mostre experiência

Ao se contratar alguém, o RH busca encontrar um candidato que agregue valor ao time. Assim, a equipe será cada vez melhor, melhorando seu desempenho a longo prazo.

Dizer que é especialista em algo sem provar domínio é jogar palavras ao vento. Prove que você é um especialista através dos resultados obtidos – até mesmo pelos erros que cometeu até chegar naquele resultado. 

5. Seja confiante 

Parecer confortável no que pode ser uma situação desconfortável é um ponto a seu favor. 

Por mais que você não tenha todas as respostas do mundo, ao responder uma pergunta, mostre confiança. 

A confiança em si mesmo mostra a capacidade de ser proativo, mesmo que possa vir a errar. A cereja do bolo aqui é não vacilar por causa do nervosismo. 

Se você se preparar, você tende a ficar menos nervoso, menos ansioso – por consequência, fica mais confiante.

6. Mostre que você se importa com o trabalho em equipe

A dinâmica de grupo é um ótimo momento para analisar o aspecto de trabalho em equipe. 

Seja líder e dê o exemplo ao seu grupo. Essa é a hora de brilhar! E se houver mais de uma pessoa no grupo que tenha perfil de líder, não tente ser o único líder do grupo. Na possível tensão entre os candidatos, essa “guerra dos tronos” pode gerar um atrito desnecessário. Assim, busque ser conciliador – sem impor suas ideias.

Busque trabalhar como líder em harmonia com o outro candidato a líder. Se os líderes trabalharem juntos, aumentam as chances do grupo de vocês se destacarem em relação aos demais.

Assim, você demonstra características importantes como flexibilidade e comunicação – além da capacidade de trabalhar harmonicamente em equipe.

7. Apontar problemas e suas soluções

Se a vaga é para uma posição específica, como RH ou gestão de projetos, espera-se que o candidato venha com soluções específicas para problemas que talvez nem a empresa saiba que existam. Para isso, é importante estudar a empresa de modo mais aprofundado para captar nuances críticas e potenciais problemas. Assim, será possível pensar em uma solução. Vale dizer, espera-se que a solução seja mais do que paliativa.

Fazer a lição de casa mostra, mais uma vez, seu interesse pela empresa. 

8. Demonstrar clareza de pensamento

Demonstre clareza de pensamento e uma personalidade vencedora ao elaborar respostas à situações e perguntas incomuns. 

Quando se realiza perguntas “estranhas” como: “Quando foi a última vez que você fez alguém sorrir?” A resposta diz muito mais sobre os atributos do candidato do que o currículo, referências e tradicionais perguntas.

9. Seja curioso

Há uma correlação direta entre as perguntas feitas na entrevista e a impressão positiva causada no entrevistador.

O candidato que faz perguntas mostra que sabe sobre a empresa – e demonstra que realizou sua pesquisa antes de entrar pela porta. Ele prepara perguntas que preenchem os espaços em branco para os dados que não pode descobrir. Em suma, candidatos assim são curiosos – e isso é muito bom.

10. Mostre os seus projetos paralelos

Falar sobre seus projetos paralelos mostra sua criatividade e habilidades que vão além das atividades de uma dinâmica de grupo. 

Então, fale com orgulho daquele projeto incrível que você fez para uma ONG ou aquele blog sobre séries que você escreve. Fale um pouco do seu processo criativo!

11. Chegue cedo

Certifique-se de que você chegue cedo e seja o primeiro ou um dos primeiros. É provável que você tenha um tempo de contato cara a cara com o entrevistador para que você possa começar a construir o rapport – ou seja, uma ligação – antes que todo mundo apareça.

E, mesmo que você não tenha a oportunidade de falar cara a cara, é provável que o entrevistador se lembre do seu rosto mais tarde.

12. Mostre que você tem a cultura da empresa

Não há nada mais importante para uma empresa encontrar um candidato que tenha fit cultural – que é o “match” entre candidato e empresa. Afinal, a cultura de uma empresa mantém a energia e uma atitude positiva no geral.  

Você consegue captar a cultura da empresa pelo seu site institucional, LinkedIn e Instagram. Assim, antes de você se candidatar, avalie se você tem ou não fit cultural. Se não tiver, é melhor não prosseguir.

Agora, caso tenha, mostre que você está alinhado com a cultura da empresa, pois assim poderá ganhar alguns pontos nessa fase do processo seletivo.

13. Deixe sua marca

Qual é a coisa mais importante que você fará se conseguir o emprego? Diga o que você poderá agregar a empresa. 

Uma dinâmica de grupo é a chance para o candidato se destacar perante os outros, compartilhando seus talentos, habilidades e ideias.

Você precisa garantir que realizou sua pesquisa e que sabe tudo o que pode sobre a empresa e clientes para mostrar o que você é capaz de fazer para ajudar a empresa crescer e ter sucesso.

Se você quiser saber mais sobre dinâmicas de grupo, aprofunde seus conhecimento nessa jornada sobre Mitos e Verdades sobre Dinâmicas de Grupo!


Em uma dinâmica de grupo, participe da conversa, seja você mesmo e mostre que você pode trabalhar e ter sucesso como parte da empresa. Prove para eles que você é um ótimo complemento, não apenas por sua capacidade de produzir ótimos resultados, mas também por sua capacidade de construir relacionamentos e trabalhar em equipe.

Se mesmo com essas dicas a vaga não for sua, provavelmente é porque ela não combinava muito com você. E ok, vida que segue! Oportunidades melhores sempre virão.

E se quiser encontrar uma empresa que tenha tudo a ver com você, deixe que o Bettha te ajudar!

Homem de costas realizando apresentação com notebook a frente, diante de 3 pessoas

Como fazer um pitch para entrevista de emprego?

O pitch tornou-se um termo bastante conhecido e usado em meio a startups e investidores, sendo nada mais do que uma pequena apresentação de um produto ou serviço em poucos minutos. Dessa maneira, sua lógica pode ser facilmente aplicada em uma entrevista de emprego! Descubra como fazer um pitch para entrevista de emprego!

O pitch para entrevista de emprego pode ser usado em uma conversa telefônica ou presencialmente. É a sua chance de chamar a atenção do entrevistador e definir o tom para o restante da entrevista. É por essa razão que é tão importante ter um pitch matador preparado para qualquer momento.

Estruturando o seu pitch para entrevista de emprego

Existem algumas peças-chave que o seu pitch para entrevista de emprego deve ter para que ele seja autêntico e siga uma cadência natural. Confira!

1. Quem é você e o que você faz?

A primeira parte do seu pitch para entrevista de emprego deve dizer quem é você. Dessa maneira, depois de dizer informações como seu nome, idade e lugar em que mora, você deve dizer o que faz.

Você pode incluir um pouco sobre seu histórico profissional, dizendo quais são suas habilidades e interesses. É aqui que você precisa adaptar sua resposta para se adequar ao resultado desejado!

Se você se descreve como um especialista em finanças, você acha que as pessoas vão prestar atenção em tópicos financeiros? Sim! Mas se o pitch soa um tanto generalista, como “sei sobre muitas área e finanças é uma delas”, isso pode passar batido ao recrutador.

É por isso que é importante adaptar a sua resposta para se adequar ao resultado que você espera alcançar e ao que deseja ser conhecido e lembrado. E se quiser saber mais sobre como contar uma boa história – e encantar o seu ouvinte, clique aqui e saiba mais sobre o storytelling!

A primeira parte do seu pitch para entrevista de emprego pode ser nessa linha:

“Olá, sou a Maria. Eu sou uma cientista com formação em química. Especialista em pesquisa e desenvolvimento de novos produtos.”

2. Por que eles devem se importar?

Neste bloco, você deve ser mais específico para chamar a atenção do recrutador. No que você está trabalhando agora – ou o que você realizou recentemente? Assim, você deverá abordar as suas experiências mais recentes.

Veja um exemplo:

“Atualmente, trabalho na Johnson & Johnson e minha equipe está atuando no desenvolvimento de um novo produto que deve entrar em testes clínicos este mês”.

Agora o recrutador está ciente dos seus conhecimentos e experiências! Levando em conta que isso seja relevante para ele, você chamou sua atenção, abrindo uma janela de oportunidade para você.

É por isso que o primeiro passo é tão importante! Se você não decidir pelo que deseja ser conhecido – para adaptar o pitch – você deixa de enfatizar seus pontos fortes. Dessa forma, você pode perder o recrutador no mesmo instante.

dica bettha: escolha apenas uma ou duas coisas pelas quais você se considera bom para manter a apresentação direta e sucinta.

3. O que você quer?

Após os passos acima, você precisa concluir o seu pitch para entrevista de emprego. Assim, para responder a pergunta “o que você quer?”, você deve refletir no porquê pretende participar do processo seletivo em questão. Por isso, é importante se perguntar:

O que você quer obter dessa vaga? 

O que você espera nessa empresa?

Com uma boa reflexão, você conseguirá explicar em poucas palavras o seu objetivo em estar ali.


Um bom pitch para entrevista de emprego requer uma boa narrativa para ser natural, e não monótono. Conecte os três blocos de informações seguindo uma lógica com início meio e fim. Dessa maneira, será possível dar fluidez entre um tópico e outro, construindo uma mensagem poderosa.

Fale tranquilamente como se estivesse se apresentando para um possível amigo. A naturalidade e a autenticidade são pontos-chave para o sucesso de um bom pitch para entrevista de emprego.

Quer mais dicas para se sair bem em uma entrevista de emprego? Confira aqui dicas exclusivas e saia na frente 🙂

Rapaz de camisa xadrez de costas com microfone na mão com plateia ao fundo sentadas a mesa

Como usar o Storytelling no processo seletivo?

Ter uma boa história, repleta de elementos interessantes e atrativos não é suficiente – você precisa saber como contá-la. O storytelling é uma técnica que ajuda a contar boas histórias com o intuito de encantar e manter a sua audiência interessada no que você tem a falar.

Com o uso claro de personagem, ambiente, conflito e mensagem, e tendo início, meio e fim, a história ajuda a se conectar com quem a está ouvindo.

O storytelling ajuda a transformar qualquer história pela sua perspectiva. O que a torna única e especial.

Storytelling no processo seletivo

Essa técnica pode (e deve) ser usada durante o processo seletivo. Ela é excelente para prender a atenção do recrutador e dar cadência linear aos fatos.

O conteúdo é rei, sendo fundamental para criar um bom storytelling . No entanto, não exagere nas emoções. A ideia é engajar – e não soar como uma dramaturgia. Além disso, a narrativa precisa se adequar a quem você está falando – ou a empresa que você está buscando o tão sonhado emprego.

No último Experience Day do BCE#3, Cecília Pinaffi explicou como transformar um relato em uma boa história. Para isso, ela usou da sua própria história pessoal, percorrendo os caminhos profissionais que a levaram até o Vale do Silício.

Confira as 5 dicas da Cecília Pinaffi aplicadas para um processo seletivo:

1. Conheça seu público

Para ser bem-sucedido no storytelling você deve conhecer a empresa pela qual você foi chamado a participar do processo seletivo.

Vá ao site e navegue por cada seção. Acesse as redes sociais e veja o que a empresa está fazendo no momento, qual o tom e linguagem usados. No geral, conheça a empresa como a palma da sua mão.

Com essas informações, você conseguirá adequar o seu storytelling para a empresa que está conversando. Além disso, você pode obter informações suficientes para identificar se você tem fit cultural com a empresa.

dica bettha: Marcelo Andrighetti dá dicas de como você identificar quem é o seu público-alvo para criar o storytelling ideal.

2. Início, meio e fim não basta

Uma boa história oferece detalhes e fatos que ajudam a torná-la mais interessante. Ser objetivo demais e prezar apenas pelo início, meio e fim, torna a sua história um tanto pobre.

A ideia não é encher de detalhes a ponto de entediar quem a está ouvindo, mas fundamentalmente torná-la atrativa. Para isso, ofereça exemplos, detalhes e o que mais for necessário para a sua história sair do ponto comum.

A técnica STAR é um formato simples que você pode usar para responder às perguntas comportamentais. Você deve contar a situação, tarefa, ação e por fim, resultados. Com essa técnica é possível dar cadência e fluidez à narrativa.

dica bettha: o curso “A Arte do Storytelling” da Pixar é gratuito e ajudará você a entender a como construir uma boa narrativa pela produtora de animações mais querida do mundo. Toy Story não é um sucesso por acaso 😉

3. Use a voz ao seu favor

Você conhece o elogio “voz de radialista”? Esse elogio não se refere apenas a uma voz bonita, mas também a entonação, clareza ao falar e a sonoridade – coisas fundamentais para um bom radialista.

Pois bem. Você não quer ser um radialista. Porém, é importante usar técnicas que tornem a sua voz melhor para o ouvinte. Dê uma boa entonação, fale com clareza (você não precisa ser rápido ou lento demais para falar). Além disso, projete a sua voz (falar para dentro como se estivesse tímido não é legal).

Sua voz é a ferramenta para captar a atenção de quem deseja, use a seu favor.

dica bettha: São Yantó, cantor e compositor brasileiro, tem uma playlist de utilidade pública com diversas dicas para voz. Pode parecer um tanto estranho aprender sobre presença de palco e dicas de canto para aplicar em um storytelling… Porém, a arte ajuda (e muito) quando aplicada nos negócios. Não é por acaso que existe teatro coach 🙂

4. Brilho nos olhos, bebê! 

Se você for apático, não mostrar emoção e “brilho nos olhos”, o seu storytelling pode soar falso. 

O seu corpo deve acompanhar o seu storytelling, entretanto, sem parecer que você está atuando uma peça de Shakespeare. Em outras palavras, o seu corpo, principalmente o seu rosto, deve expressar o que a sua boca está dizendo.

dica bettha: dicas de presença de palco podem ajudá-lo a saber se expressar de modo geral: corpo e voz. Confira as 4 dicas para ter presença de palco do Mauai da Teatrês.

5. Reforce o que aprendeu em cada fase da vida!

Toda experiência, seja positiva ou negativa, é válida. Experiências pessoais agregam no âmbito profissional e vice-versa. Portanto, fale das suas experiências, o caminho que o fez chegar até ali e o que aprendeu dessas situações.

Selecione experiências e situações que são possíveis conectar a cultura e ao cargo. Assim, construa o seu storytelling de acordo com a cultura da empresa.

dica bettha: desenvolver um mindset criativo o ajudará a enxergar as coisas de formas diferentes. Na publicidade, toda experiência agrega na hora de criar campanhas. Ter esse mindset o ajudará a reaproveitar toda experiência e visão de mundo que você tem até hoje e transformar em uma narrativa encantadora.


O storytelling é a melhor técnica para você transformar a maneira como conta histórias, principalmente no âmbito profissional.

Mas mais do que entender técnicas de storytelling, seja bom naquilo que você diz ser. Não há storytelling que segure um profissional que mais fala do que faz. Ou seja, tenha conteúdo e não só fale sobre ele. Domine suas habilidades e potencialize seus conhecimentos com mais conhecimento!

Processo Seletivo de Trainee: Descubra como funciona (e como passar!)

É importantíssimo saber como funciona o processo seletivo de trainee! Nesse post, você vai descobrir mais sobre o que é um trainee, como funciona, passo-a-passo para passar no processo, além de dicas de livros para te auxiliar nessa empreitada!

Se o estágio abre portas para o jovem inexperiente entrar no mercado de trabalho, o trainee é o caminho para se consolidar como profissional. O trainee passa por várias experiências ao longo do programa, como rotatividade em diversas áreas da empresa, treinamentos, além de ter contato direto com lideranças. O trainee passa muitos desafios e é um participante ativo de grandes projetos.

Encontrar trainee que atenda as expectativas pode ser um desafio. Mesmo com a tantas oportunidades em empresas com culturas tão distintas, é possível dar match com a que mais faça sentido para você!

Fique ligado nas próximas linhas! Você aprenderá tudo sobre o programa de trainee e como participar de um processo seletivo – e garantir a vaga.

Vem com a gente 🙂

O que é o programa de trainee?

O programa de trainee é voltado para recém-formados ou para quem está prestes a se formar e dura dois anos de treinamento. Sim, treinamento!

O jovem, ao entrar em um programa de trainee, passará por um processo de aceleramento de carreira dentro da empresa, visando desenvolvimento profissional que abrange técnica e comportamento.

Por isso, diferentemente do estágio, o foco o trainee é o desenvolvimento para cargos estratégicos ou de liderança. Para isso, o trainee trabalha ao lado de gestores e líderes experientes.

É uma excelente forma de entrada para o mercado de trabalho – além de contar com uma boa remuneração.

“Eu gosto do impossível porque lá a concorrência é menor – não, pera…”

A frase acima não se aplica quando se trata de processo seletivo de trainee. Não porque o processo parece impossível, mas porque definitivamente a concorrência por lá não é menor.

Em 2016, a Exame mostrou 10 programas de trainee que tinham mais de 400 candidatos por vaga.

Uma vaga para o processo seletivo de trainee da Ambev, a queridinha dos candidatos, tinha mais de 3 mil pessoas concorrendo!

Portanto, prepare-se porque a jornada não é tão simples, mas vale todo o esforço.

Como funciona o programa de trainee da Ambev

A Ambev é uma das empresas que se destacam quando o assunto é trainee. O programa envolve treinamento, mentoria, oportunidades e liderança. Além de benefícios bem vantajosos.

O programa é propício para quem gosta de desafios, autonomia e segue uma linha mais informal. Envolve todas as áreas de conhecimento e tem duração de quatro meses para formar os futuros líderes.

É um período de imersão nas diferentes áreas da cervejaria, conhecendo várias frentes do negócio, além das operações e cervejarias no Brasil.

A Ambev trabalha com três tipos de programas de trainee:

  • trainee business: foco em vendas e marketing,
  • trainee supply: foco em logística,
  • trainee tech: foco na tecnologia por trás de todos os processos da empresa.

O programa consiste em: treinamento, mentoria, oportunidades e liderança:

Treinamento

A jornada de treinamento quatro meses e envolve:

integração: onboarding da cultura a estratégia da empresa com o CEO e líderes de diferentes áreas.

treinamento tech: muito aprendizado em inovação para entender tendências no mercado, tecnologias disruptivas e a como otimizar o negócio.

integração South America Zone: aqui junta todos os trainees do Brasil, Argentina, Chile, Bolívia, Paraguai e Uruguai.

rotação em vendas e supply: treinamento mão na massa vivenciando a rotina do campo ao copo.

treinamento corporativo: foco nas estratégias e as diferentes áreas funcionais da empresa: Finanças, Vendas, Marketing, Logística, Supply Chain, Procurement, Gente, Solutions, Jurídico e Relações Corporativas.

on the job: no último mês o trainee terá uma visão mais específica da área de interesse.

Mentoria

A partir do segundo ano de programa, os trainees são mentorados pelos sócios da companhia.

Oportunidades

A Ambev apoia um crescimento rápido de carreira e oferece oportunidades no ritmo do próprio candidato e nos resultados que ele entrega.

Liderança

A empresa tem um estilo de trabalho conhecido como “seja você o próprio dono”, então desde o primeiro dia, o trainee poderá ser líder de um projeto ou de um time.

Qual o perfil do candidato?

Basicamente, o candidato a trainee precisa ter garra, curiosidade, ter ambição e paixão e ter um sonho grande para fazer acontecer.

Os pré-requisitos são: inglês avançado, disponibilidade para morar em outros Estados e ser formado a menos de dois anos ou estar se formando no ano do processo seletivo de trainee.

Etapas do processo seletivo de trainee da Ambev

São cinco etapas até a admissão:

Período de inscrição: dura quase um mês.

Testes online: são três testes diferentes de fit cultural, inglês e raciocínio lógico.

Business case e entrevista online: o primeiro contato onde o candidato contará a sua trajetória.

Trainee challenge: nessa etapa o candidato solucionará desafios em grupos.

Painel final: aqui o candidato conversará com os líderes seniores.

Admissão: a etapa onde a felicidade começa.

O processo seletivo de trainee 2019 da Ambev já está com as inscrições encerradas, mas não se preocupe! Você tem oportunidades incríveis aqui também.

Passo a passo para encontrar trainee

Prepare o currículo

Um bom currículo é essencial para você conseguir um convite para um processo seletivo de trainee. Portanto, capriche!

Lembre-se que essa é a primeira impressão que a empresa terá de você. Por isso, nada de preencher com firulas – seja objetivo e não ultrapasse duas páginas.

Faça bonito! Confira os 10 mandamentos para um bom currículo e arrase!

Faça bonito no LinkedIn

Se você duvida do poder do LinkedIn, saiba que você está perdendo oportunidades para criar um excelente networking e se relacionar com possíveis contratantes.

A rede social tem se destacado cada vez mais. Por isso, hoje em dia, ela é tão importante quanto a apresentação do currículo.

Mantenha o seu perfil atualizado e em movimento para que alcance mais pessoas e você possa ser visto por empresas.

Se você não conhece toda capacidade que o LinkedIn tem para você, veja como criar um perfil de sucesso.

Tenha uma carta de apresentação

Pode parecer tradicional demais, mas a carta de apresentação ainda é usada. E continuará a ser – já que em um primeiro contato você precisa falar um pouco sobre si para que a empresa te conheça.

A linguagem da carta de apresentação vai de acordo com o tipo de empresa que você pretende trabalhar.

Se a empresa é mais “tradicional”, prefira uma carta de apresentação mais formal.

Na internet há muitos modelos para você se inspirar. Escolha mais de um modelo (sim, é sempre bom ter no mínimo dois modelos de carta de apresentação – uma para empresas mais “tradicionais” e outra para empresas, digamos que mais “fora da caixinha”).

#betthaTip: não assassine o português, ok? Revise a carta mais de uma vez, e, se precisar, peça ajuda de outros universitários.

O que a empresa espera de você, futuro trainee

Encontrar vagas de trainee é fácil. Agora, conquistar a vaga, é outra história.

Apesar do número de vagas para trainee aumentar cada vez mais, esses programas geralmente são bastante criteriosos.

Só o seu charme e swing não serão suficientes para encontrar o trainee dos sonhos. Mas fique em #paz que a gente te conta o que a empresa espera de você:

1 – Inglês que vá além do “the book is on the table”

O inglês hoje é mandatório na maioria das empresas e não seria diferente em um programa de trainee.

O básico no idioma não é suficiente – a empresa espera que você chegue lá com fluência ou ao menos esteja num patamar avançado (o famoso “sei ler, conversar e escrever bem”).

2 – Disponibilidade para mudanças

Em alguns casos, o trainee terá de trabalhar fora de sua cidade natal ou até em outro país. Portanto, você precisa estar disposto a ficar dois anos distante de casa e ser meio “ET, phone, home“.

3 – Experiência internacional

Se você já rodou alguns países através do intercâmbio, essa pode ser a cereja que falta nesse bolo!

Nem todas as empresas exigem experiência internacional, mas é um baita diferencial.

4 – “Conhecereis a árvore pelo seu fruto…”

Você pode ter um currículo invejável, mas nada adianta se o seu perfil ou comportamento não se encaixam com a empresa.

Seja proativo, criativo, comprometido e tenha foco nos resultados. Além disso, ter autonomia e se sentir “dono” do negócio são comportamentos desejados por todas as empresas.

Como se destacar no processo seletivo de trainee

Se o processo é exigente, entregue excelência:

1 – Stalkeie a empresa assim como você stalkeia o crush

Conheça muito bem a empresa que você irá ser entrevistado: visite site, redes sociais, conheça o seu setor e indústria, a sua cultura, seus concorrentes, seus desafios e busque por notícias.

Às vezes, alguma notícia relevante pode te ajudar a ter mais assunto e mostrar que você fez a lição de casa direitinho.

2 – Conheça todas as etapas

Geralmente a empresa define todas as etapas para iniciar e encerrar o processo seletivo de trainee. Entenda-as e se prepare para cada uma.

Essas etapas vão desde conversas com os executivos a dinâmicas em grupo.

3 – Pergunte a outro trainee

Procure por ex-trainees para tirar dúvidas e receber dicas valiosas que podem te colocar à frente dos seus concorrentes.

Se você não conhece nenhum ex-trainee, vá ao bom e velho LinkedIn e mande uma publicação mais ou menos assim: “Alô gente linda! Preciso conversar com um ex-trainee. Alguém aí ou alguma indicação?”

Você pode ter certeza que terá retorno. Pode parecer que não, mas as pessoas gostam de ajudar umas as outras.

4 – Se conheça bem!

Você terá de responder perguntas mais pessoais e que envolvem uma boa dose de autoconhecimento.

Você realmente sabe onde quer chegar? Conhece os seus pontos fortes e fracos?

Saber responder com confiança e verdade essas e mais perguntas te deixam mais perto de conquistar a tão sonhada vaga.

Dicas preciosas por quem já passou por um processo seletivo de trainee

Lívia Kuga passou no processo seletivo de trainee da Arpex Capital – fundo de investimentos brasileiro – e dá dicas incríveis para passar em um processo com louvor! Confira:

Autoconhecimento: saber o que gosta, o que não gosta, o que não faz, é fundamental para entender qual caminho seguir.

Estudar muito sobre a empresa: você sai na frente por conhecer todo o histórico da empresa, além de entender se realmente você tem fit com ela.

Não participe de muitos processos seletivos de trainee: são muitas dinâmicas e provas, é uma jornada cansativa. Portanto, economize suas energias para os processos que realmente valem a pena.

Seja você mesmo: em diversos momentos durante um processo seletivo de trainee, você será testado, portanto, seja autêntico. Não finja ser quem não é para conquistar uma vaga, pois isso é ruim para você e para a empresa.

Recorra aos livros

Adoramos livros e acreditamos que uma boa leitura é capaz de mudar o seu mindset. Por isso, selecionamos três títulos que vão te preparar para encontrar o trainee ideal:

O poder do hábito – Charles Duhigg

Neste best seller com explicações científicas e exemplos atuais, o livro consegue prender a atenção do início ao fim.

A obra divide-se em hábitos dos indivíduos, hábitos das empresas e hábitos de sociedades.

Se você quer mudar um hábito e não sabe como e não entende a razão, eis que chegou a hora da virada!

Como fazer amigos e influenciar pessoas – Dale Carnegie

Dale Carnegie apresenta um novo modo de vida para quem quer evoluir o seu modo de lidar e se relacionar com pessoas.  

Este clássico foi lançado em 1937, mas ainda é uma referência atual sobre networking.

Empresas feitas para vencer – Jim Collins

Já parou para pensar qual é a diferença entre duas empresas que estão no mesmo mercado, possuem as mesmas condições, mas uma segue o caminho de sucesso e outra trilha o fracasso?

Essa e mais perguntas são respondidas nesse livro. Além de alguns termos e conceitos que vão te ajudar a ter mais conhecimento no mundo empresarial como: líderes tipo 5, conceito do porco-espinho e a importância de ter as pessoas certas e nos lugares certos.


Ser trainee é uma etapa muito importante e transformadora – da vida e da carreira. Por isso, estude, reflita no que é melhor para você e busque por empresas que tenham o mesmo estilo que o seu 🙂

E se você está em busca de um processo seletivo de trainee para chamar de seu, inscreva-se na bettha!

Nós ajudamos você a dar match naquele trainee dos sonhos – além de te ajudar a exercitar o autoconhecimento com jornadas de conhecimento e mapeamento de perfil. Tudo isso de graça! 😀

Se na vida nem sempre é possível dar match em um crush, no bettha é garantido o match com aquela empresa especial <3

Deixa a gente te ajudar a conquistar a sua próxima vaga! 😉

Como usar atividades acadêmicas no currículo

Nesse post, você vai aprender como usar atividades acadêmicas no seu currículo profissional!

O currículo é o terror de todo jovem em início de carreira.

Como ser chamado para uma entrevista sem ter experiência profissional para criar um CV atrativo?

Para não ficar uma página em branco, muitas vezes o currículo começa a ser preenchido com inúmeras informações irrelevantes.

Se você se identificou com essa situação, saiba que as atividades acadêmicas são a melhor forma de tornar seu currículo mais atrativo. Além disso, mostra para o recrutador que experiência você tem de sobra 🙂

Experiência não vem só da CLT!

Você pode ainda não ter trabalhado com registro em carteira ou feito um estágio, mas isso não significa que você não tem experiência!

Atividades acadêmicas, trabalhos voluntários e freelas são experiências concretas! Elas demonstram que você está formação e desenvolvendo habilidades. Mesmo sem experiência formal, você está no caminho para se tornar o profissional que tanto deseja ser!

Atividades acadêmicas no currículo – como usá-las a seu favor

Atividades acadêmicas no currículo representam o aprimoramento da sua formação básica. São recursos que complementam o seu perfil profissional e a sua formação como cidadão.

Elas servem como um complemento ao currículo dos cursos de graduação, além serem experiências extras adquiridas durante a formação. Podem ser tópicos avançados de estudos, atividades práticas na profissão e aprofundamento de conhecimentos científicos.

A formação acadêmica é extremamente importante no currículo, já que ali que está o seu “ouro”. Dessa forma, ela tem o potencial de diferenciá-lo de outros candidatos.

Em cada atividade acadêmica realizada, é importante informar sua função, o projeto, curso, a pesquisa e cargo (se for o caso). Então, você precisa descrever as atividades realizadas – assim como se faz com qualquer experiência profissional.

Entenda como cada atividade conta como experiência no seu currículo!

Intercâmbio

Sua vivência internacional é um ponto extra, além de ser uma das atividades acadêmicas que mais dão prestígio. Da mesma forma, a realização de um intercâmbio é o melhor indicador de domínio sobre uma língua estrangeira.

Cursos, pós-graduação, cursos de verão e trabalhos realizados fora do país, mesmo que não remunerados, são válidos para incluir no currículo.

dica do bettha: viagens turísticas não contam como experiência profissional, ok?

Premiações

Se você já recebeu algum prêmio, menção especial ou outro tipo de reconhecimento, inclua no seu currículo. Esse mérito conquistado demonstra diversas qualidades suas ao recrutador.

Afinal, antes de se ganhar reconhecido em algo, você teve bom planejamento, comprometimento, disciplina e dedicação. Essas são qualidades necessárias que todo profissional deve ter para ser bem-sucedido.

Iniciação Científica

Produzir um artigo científico é um trabalho árduo e meticuloso que exige tempo e muita dedicação. Realizar uma iniciação científica o coloca no cerne da pesquisa, além de o ajudar a seguir carreira acadêmica.

Esse tipo de trabalho aprimora técnicas investigativas e de pesquisa, análise e tratamento de dados e produção de conteúdo – habilidades extremamente relevantes em qualquer área de atuação.

Essa é uma excelente forma de sair na frente dos demais candidatos, principalmente se o seu tema de pesquisa for relacionado com a área de atuação da vaga pretendida.

Monitorias

A monitoria acadêmica é uma atividade que abrange várias funções. Nela, um professor seleciona um aluno bolsista para auxiliá-lo no decorrer de uma matéria da grade horária da graduação.

Além de fortalecer o conhecimento adquirido no curso, também permite o desenvolvimento da comunicação e relacionamento interpessoal, responsabilidades cotidianas, além de demonstrar bom desempenho acadêmico.

Bolsas estudantis

As bolsas estudantis são concedidas com a análise de muito critérios. Se você foi beneficiário de uma, já está em vantagem! Esse é um excelente indicador de qualidade do seu projeto e do seu desempenho acadêmico.

Entidades estudantis

Se você trabalha no centro acadêmico, na atlética ou empresa júnior do seu curso, saiba que essas experiências também contam como atividades profissionais.

Essas atividades são um “test-drive” do cotidiano em empresas e organizações. Nelas ocorrem a orientação e capacitação dos estudantes, rotinas de planejamento e gestão, além de integração estudantil, organização de atividades esportivas, eventos e cursos, assim como projetos de consultoria e muito mais.

Exemplo: Modelo de currículo com atividades acadêmicas

Abaixo você encontra um modelo de currículo desenvolvido pela USP, e você pode baixar a versão completa aqui. Ele te ensina a organizar as suas atividades acadêmicas no CV tópico por tópico!

  1. IDENTIFICAÇÃO
  2. QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL
  3. PRODUÇÃO CIENTÍFICA
  4. PARTICIPAÇÃO EM OUTRAS ATIVIDADES DE PESQUISA
  5. ATIVIDADES PROFISSIONAIS
  6. OUTRAS ATIVIDADES RELEVANTES

6 Dicas para deixar o seu currículo nos “trinques”

  1. Em vez de descrições sobre experiências relacionadas ao intercâmbio, informe resultados dessas experiências. Dessa forma, relate aquilo que você aprendeu.
  2. Cursos, experiências e formações deve serem inseridos do mais recente para o mais antigo.
  3. Não inclua os nomes das escolas que frequentou no ensino fundamental e médio, pois elas são irrelevantes a essa altura do campeonato.
  4. Não minta, jamais.
  5. Organize as informações no currículo de modo que dê leitura e seja fácil identificar cada informação. Trabalhar com tópicos oferece uma leitura melhor 🙂
  6. Foque nas suas qualificações e habilidades desenvolvidas.

As atividades acadêmicas no seu currículo te apresentam como profissional perante o mercado de trabalho. Além disso, Exemplovalorizam as suas habilidades e aprendizados. Não desvalorize essas oportunidades!

Da mesma forma, não se diminua por não ter “aquela bagagem” profissional. Tudo ao seu tempo, jovem 🙂

Há diversas empresas com vagas incríveis em busca de jovens profissionais! Esse pode ser o primeiro passo bem-sucedido para a sua carreira. Cadastre-se aqui e venha mudar de vida! 😉

Fontes: Guia do Estudante / Quero Bolsa / Sociedade Saber / UOL / USP / Vagas.com

Técnica STAR: a estratégia para você se sair bem em uma entrevista

A técnica STAR oferece um formato simples para responder perguntas comportamentais na entrevista de emprego. Saiba como funciona e como aplicar a técnica!

Você está em uma entrevista de emprego e as coisas estão indo muito bem. Você não se atrasou para a entrevista, a conversa com o recrutador está seguindo um tom amistoso até que o recrutador pergunta: “Conte-me sobre um momento em que…”

O nervosismo surge, o estômago dá um nó e por um momento parece que o seu cérebro e a boca paralisam.

Esses tipos de perguntas durante uma entrevista realmente são difíceis de responder. Apesar disso, a boa notícia é que existe uma estratégia que você pode usar para dar respostas com uma narrativa mais atraente e mostrando suas habilidades e potenciais de forma estruturada: a técnica STAR.

Quer saber mais como se dar bem numa entrevista? Clique aqui e confira essas 9 dicas!

O que é a técnica STAR

STAR é um acrônimo que significa: situation (situação), task (tarefa), action (ação) e results (resultado).

A técnica STAR oferece um formato simples que você pode usar para responder às perguntas comportamentais – aquelas que pedem que você dê um exemplo real de como lidou em uma determinada situação ou conflito anteriormente em uma das suas experiências profissionais.

Essas perguntas geralmente iniciam da seguinte forma:

“Conte-me sobre um momento em que …”
“O que você faz quando…”

“Você já…”
“Me dê um exemplo de…”
“Descreva um…”

“Você já…”
“Me dê um exemplo de…”
“Descreva um…”

A técnica STAR trata-se de pensar em uma história apropriada para a sua resposta. Dessa forma, você compartilhará detalhes relevantes que tornarão a sua narrativa atrativa do início ao fim – sem divagar.

Usar os quatro elementos da técnica para moldar a sua história é vantajoso para você e para o entrevistador. Dessa forma, fica muito mais fácil para você compartilhar uma resposta focada, fornecendo ao entrevistador uma narrativa fácil. Por outro lado, é mais fácil para o entrevistador acompanhar o que é dito e determinar sua aptidão para a vaga com base na sua resposta.

Situation (situação)

O ponto de partida para iniciar a técnica STAR é encontrar uma situação marcante do seu histórico profissional que você possa falar de forma aprofundada. Para isso, pense em situações como conflitos, promoções, desafios e outras que de alguma forma foram o início de uma nova trajetória para a sua carreira.

Como não é possível saber com antecedência o que o entrevistador irá lhe perguntar. Assim, o ideal é ter algumas histórias e exemplos na manga para serem ajustados e adaptados para diferentes perguntas durante a entrevista.

Abaixo algumas ideias de situações que você pode usar para responder às perguntas:

Projetos acadêmicos

Se você possui pouca experiência, os projetos acadêmicos são excelentes para você construir sua história.

Experiências de trabalho anteriores

Mesmo um trabalho de meio período é válido para criar a sua narrativa. Por isso, lembre-se de falar positivamente sobre as suas experiências anteriores!

Projetos freelancer

Mesmo que sejam projetos não relacionados ao trabalho que você está se candidatando, os freelas podem mostrar características como iniciativa e espírito empreendedor que podem diferenciá-lo dos demais candidatos.

Task (tarefa)

Descreva as tarefas que você tinha de realizar, envolvendo nomes, prazos, objetivos, problemas e outros aspectos relevantes que são importantes para a sua narrativa.

A tarefa pode facilmente ser confundida com a parte “ação” da resposta. No entanto, esta peça é dedicada a dar as especificidades de suas responsabilidades nesse cenário específico, bem como qualquer objetivo que foi definido para você, antes de mergulhar no que você realmente fez. Assim, você deve citar as ações que tomou para resolver o problema e que o motivou a chegar até essas ações.

O objetivo aqui é criar uma imagem clara da situação em que você se encontrava e enfatizar as suas complexidades. Desse modo, o resultado que você menciona parecerá muito mais profundo. Mantenha a narrativa concisa e concentre-se naquilo que é inegavelmente relevante para a sua história.

Action (ação)

Você está contando essa história por uma razão – porque você teve envolvimento central nela. Esta é a parte em que você faz o entrevistador entender exatamente onde você se encaixa na situação e o quais foram as suas reações e atitudes para resolver a situação apresentada. Algumas características que os empregadores julgam nos candidatos nessa etapa:

Iniciativa: como o funcionário em potencial sabe que há um problema para ser resolvido?

Abordagem: qual é a abordagem para resolver um problema? A decisão é tomada imediatamente ou se coleta opiniões e dados sobre como proceder?

Definição de metas: quando ações começam a ser tomadas, o resultado final está sendo considerado ao longo do processo?

Result (resultado)

Por fim, fale sobre os resultados obtidos através de suas ações e conclua a história com os aprendizados – quantificados, se possível.

Esta é sua chance de realmente mostrar a sua contribuição, o que é digno de detalhes. Por isso, mergulhe fundo e certifique-se de fornecer informações suficientes sobre o que exatamente você fez.

Se você trabalhou numa área como vendas, coloque seus resultados em termos do impacto financeiro: foco na receita gerada, novos negócios e valor dos clientes que você conquistou.

Concentre-se em projetos de redução de custos ou como você melhorou a performance de algo.

Se você implementou um novo relatório ou análise, concentre-se na economia de tempo que ele criou para os membros da sua equipe.

Técnica STAR na prática

“A técnica STAR fornece uma estrutura simples para ajudar um candidato a contar uma história significativa sobre uma experiência de trabalho anterior”, afirmou Al Dea, fundador da CareerSchooled e coach de carreira e liderança.

Veja alguns exemplos de respostas usando a técnica STAR.

Modelo 1

No primeiro modelo, sinalizaremos onde cada etapa da técnica STAR é aplicada na resposta. Dessa forma, será mais fácil de assimilar o seu conceito:

Entrevistador: “Conte-me sobre uma época em que você teve que ser muito estratégico para atender todas as suas principais prioridades.”

Situação: “Em minha função anterior de vendas, fui encarregado da transferência para um sistema totalmente novo de CRM. Além disso, tinha que lidar com leads e responsabilidades diárias de vendas.”

Tarefa: “O objetivo era fazer com que a migração para o novo banco de dados de CRM fosse concluída no terceiro trimestre. Além disso, não poderia deixar que nenhum dos meus números de vendas caísse abaixo da meta”.

Ação: “Para fazer isso, eu tive que ser muito cuidadoso sobre como eu administrava todo o meu tempo. Então, eu bloqueei uma hora por dia no meu calendário para dedicar exclusivamente à migração do CRM. Durante esse período, trabalhei na transferência de dados, bem como na limpeza de contatos antigos e na atualização de informações desatualizadas. Fazer isso me deu tempo suficiente para trabalhar nesse projeto, enquanto ainda lidava com minhas tarefas cotidianas. ”

Resultado: “Como resultado, a transferência foi concluída duas semanas antes do prazo final. Eu terminei o trimestre com 10% de antecedência em relação à minha meta de vendas.”

Modelo 2

Entrevistador: “Conte-me sobre alguma situação que você precisou trabalhar sob enorme pressão.”

Candidato: “No meu último emprego, um colega de trabalho precisava se ausentar por um período. O projeto, então, ficou inacabado e sem um gerente. Meu supervisor me instruiu a assumir o projeto. Tive dias para concluir um projeto que originalmente deveria levar várias semanas. Pedi e recebi metas semanais reduzidas, dando-me mais tempo para concluir o projeto. No que diz respeito aos meus objetivos semanais, consegui delegá-los aos colegas de equipe. Com menos tarefas, dediquei mais tempo ao projeto, o que me permitiu terminá-lo no prazo e com total precisão. Por conta disso, recebi vários outros projetos, fui promovido e o meu salário foi aumentado.”

Recapitulando a técnica STAR

Situação: Defina a cena e forneça os detalhes necessários do seu exemplo;
Tarefa: Descreva qual foi sua responsabilidade nessa situação;
Ação: Explique passo-a-passo as ações que você tomou;
Resultado: Compartilhe quais resultados suas ações geraram.


A técnica STAR deve ser simples! Portanto, concentre-se em apenas uma ou duas frases para cada tópico da sigla e vá em frente! Boa sorte 😀

Como fazer um vídeo profile

Vem cá, deixa eu te perguntar uma coisa: se em algum dia da sua vida te pedirem para fazer um vídeo profile, você saberia como fazer? E saberia o que dizer?

O video profile – ou vídeo de perfil é um vídeo de 1 a 2 minutos onde você resume informações relevantes sobre você de maneira clara e objetiva – sendo você mesmo!

Essa nova tendência tem mil e uma utilidades: você pode colocar o vídeo como profile no bettha, pode usar no LinkedIn como um currículo-resumo, pode enviá-lo como carta de apresentação para enviar à empresas…

Mesmo que o video profile não substitua uma conversa cara-a-cara, é uma ótima maneira de se introduzir. Nele você pode falar um pouco sobre você, sobre suas experiências, capacitações, interesses profissionais e sonhos – além de mostrar todo o seu carisma e simpatia!

Tá, beleza. E aí? Como fazer um vídeo profile?

Fizemos esse Guia para te dar uma luz na criação do seu vídeo! Tudo pronto? Então bora!

1. Escreva um roteiro

Antes de qualquer coisa – qualquer coisa mesmo – você precisa escrever um roteiro contendo tudo o que você quer falar no seu vídeo. Comece com seu nome e idade, onde mora, o que/onde estuda; depois suas capacitações, cursos, experiências e objetivos profissionais.

Mas CUIDADO! O vídeo não deve passar de dois minutos, então não inclua tooodos os detalhes do seu currículo no roteiro. Otimiza, bebê!

2. Treine o que vai falar na frente do espelho

Com o seu roteiro em mãos, ensaie o que será dito na gravação em frente ao espelho. Assim, você vai conseguir falar de forma mais natural e resumida todas as informações que você quiser passar.

Aproveite esse treino e cronometre quanto tempo você levará para falar. Se achar necessário, faça uma gravação – ou gravações – como teste. Assim, você terá uma excelente oportunidade para otimizar o seu script e a sua performance!

3. Organize o cenário

Você estará gravando um vídeo de perfil, então todos os elementos que aparecerem na filmagem serão representações de você! Por isso, é extremamente importante que você cuide dos detalhes do cenário
onde o vídeo será gravado.

Realize a gravação em um ambiente calmo, silencioso e sem influências externas. Assim, o foco estará no que realmente importa: você!

O ambiente escolhido como cenário tem que estar de acordo com a mensagem que você quiser passar sobre você! Independente do
lugar escolhido, é muuuuito importante que que ele esteja
organizado, beleza?

4. Luz, câmera, ação!

Além do roteiro, do cenário e dos ensaios, uma boa gravação também envolve uma boa infraestrutura. Beleeeza, mas o que seria uma boa infraestrutura?

Um vídeo com boa infraestrutura envolve boa iluminação, bom enquadramento e som audível. Esses são elementos cruciais para
um bom video profile!  

A dica é a seguinte: use os ensaios para realizar testes de som e de iluminação! Não fique contra a luz, fique no centro do vídeo e tente
falar em alto e bom som – só não precisa gritar, okay? Aproveite e
procure seus melhores ângulos ;D

5. Edição

Se quiser dar um toque final ao seu vídeo, faça isso no momento da edição. Não importa se você for usar o Adobe Premiere ou Windows Movie Maker, o essencial agora é que possíveis falhas sejam corrigidas – como aumentar volume do áudio ou corrigir iluminação.

Não se esqueça: o vídeo total não deve passar de 2 minutos. Se for necessário, não tenha medo de cortar pedaços da gravação!

Bônus: O que falar no vídeo profile?

Para um processo seletivo, você precisa apresentar as informações mais importantes sobre você e sobre as suas experiências! Mas o que exatamente falar?

Fale sobre você

As informações mais importantes que você deve compartilhar com o recrutador são sobre você – afinal, o vídeo é seu, né kkk. As infos essenciais são:

  • Onde você que você estuda;
  • Previsão para formatura;
  • Onde você mora;
  • O você AMA fazer;
  • Aquilo que você não ama tanto assim.

Fale sobre suas experiências

Gente, nem toda experiência vem de carteira assinada! Mesmo que você não tenha experiência formal, várias atividades podem ser consideradas. Vale tuuudo pra que o recrutador entenda todo o caminho que você percorreu até esse momento! Se liga no que você pode falar no vídeo profile:

  • Participação em empresa júnior do curso;
  • Projeto topíssimos na faculdade;
  • Atividades acadêmicas;
  • Trabalho Voluntário;
  • Estágio.

Clique aqui e descubra como usar todas as suas experiências acadêmicas no currículo!

Fale sobre seu maior desafio

Pra falar sobre os seus desafios, você deve pensar nos momentos em que você se superou. Sabe? Quando você achou que já não tinha saída, mas que conseguiu dar a volta por cima!

Por isso, fale de uma situação desafiadora que você enfrentou – e como você conseguiu superá-la!

Fale sobre seus pontos fortes

Como o objetivo desse vídeo é falar sobre você, é importantíssimo que você fale sobre o que você é bom. Mas muito bom mesmo. Se você tivesse que dizer uma coisa na qual é muito bom, o que diria?

No vídeo, fale sobre essa coisa! Para ilustrar, compartilhe situações em que esse seu talento ficou claro.


Agora ficou bem mais fácil pra fazer seu vídeo, né? Aproveita que os novos conhecimentos estão fresquinhos na cabeça e faça seu novo vídeo de perfil para o bettha 😀

Processo Seletivo: dicas práticas para lidar com a reprovação

Ser reprovado em um processo seletivo, principalmente daquele que mais se espera um “sim”, pode ser frustrante, mas se mudarmos a nossa perspectiva e deixarmos de focar no “não” e sim na experiência do início ao fim do processo, é muito provável que lições valiosas poderão ser aprendidas e aproveitadas para o próximo processo seletivo.

Negatividade atrai mais negatividade. Portanto, não se deixe abater, ficar bravo ou sentir alguma outra emoção que possa impedi-lo de lidar com maturidade. A vida é assim, e como já diria o filósofo contemporâneo Chorão, temos “dias de luta e dias de glória”. Mas é através da luta que alcançamos a glória!

Mas afinal, o que aprender e como lidar com aquele “não” de um processo seletivo que as vezes machuca mais do que o não do @? A gente te ajuda!

Lidando com o fora da @ (leia-se empresa)

1. Não se sinta um fracassado

Você ouvirá muitos outros “nãos” na vida profissional e pessoal – esse é só mais um. Ok, a expectativa era ser aprovado e agora você se sente sem rumo… Tudo bem, isso já aconteceu com muitos de nós, mas a maneira como você lida nesse primeiro momento é o que vai ditar os próximos passos.

Existem muitas empresas bacanas, vários outros processos seletivos… Esse não será o último da sua vida. Oportunidade não faltará para você mostrar a que veio. Take it easy!

Encare que esse não era o momento certo ou o desafio certo para você e que muita coisa boa está por vir.

2. Seja grato pela oportunidade

Sinta-se grato por cada processo seletivo que participa, mesmo que você não passe. É mais uma empresa que você conheceu, é mais um profissional que tem o seu contato e caso, lá na frente apareça alguma vaga com a sua cara, com certeza o recrutador te oferecerá uma oportunidade para participar de um outro processo. Sim! Isso acontece e muito.

Não é porque não rolou aquele match que as chances de trabalhar na empresa X acabaram.

Por isso, ao receber a negativa do recrutador, responda com educação e agradeça pela oportunidade. Não feche uma porta, pois a mesma pode se abrir de novo mais adiante.

dica bettha: muitas empresas dão um feedback sobre o candidato nessa hora, leia com atenção e não ignore. Esses conselhos servirão para você se aperfeiçoar e conquistar logo um novo emprego. Caso a empresa não tenha enviado o feedback, peça-o. É muito provável que o recrutador se sentirá tocado com sua atitude, pois verá que você está querendo melhorar e então, te dará um retorno.

3. Não desista!

Dependendo da expectativa que estava em torno de um processo seletivo, quando se recebe aquele “obrigado por participar, mas hoje não Faro” pode ser um verdadeiro balde de água fria.

Muitos começam a diminuir a busca por um emprego e até se recusar a participar de alguns processos com medo de não ir muito bem. Não desista!

Não é porque um processo não deu certo que os demais também não darão, né?

Quais são os ensinamentos de uma reprovação no processo seletivo?

Agora que estamos alinhados, vamos à praticidade, caso você não tenha recebido o tão sonhado feedback do recrutador.

Há detalhes, que por menores que sejam, podem desqualificá-lo de um processo seletivo e nesse caso, só você poderá avaliar: chegou atrasado? A roupa não era adequada para a vaga ou para a empresa? Foi superficial nas respostas? Deixou de realizar alguma atividade durante o processo?

Enfim, são inúmeros os erros que podem ser cometidos. Pare para pensar se algo não foi lá muito bom durante a entrevista, por mais que você não tenha percebido isso na hora, agora que não está mais na tensão, conseguirá identificar.

Mas a principal lição de uma reprovação no processo seletivo é aprender com os erros. São através deles que se pode melhorar o currículo, a aparência, o discurso, o conhecimento para conquistar um emprego.

Reflita em cada etapa e veja se você deixou de fazer algo ou fez, mas não da maneira mais adequada (acontece, perdoe-se, siga em frente!).

Vale dizer que também é possível você ter ido super bem, mas um outro candidato tinha mais qualificação para a vaga – isso acontece e com bastante frequência. E qual o ensinamento nesse contexto? Dar uma olhadinha no mercado e ver o que está sendo pedido em relação a qualificação e habilidades. Isso já pode ajudá-lo a avançar na busca do emprego dos sonhos.

Se até um pé (e você sabe onde) te empurra pra frente, porque um “não” de um processo seletivo não faria o mesmo?

A vida é muito curta para ficar remoendo o antigo processo seletivo. Chega de “hello darkness, my old friend” e venha dar match naquela empresa que combina com você e vice-versa.

Como se sair bem em uma entrevista: veja 9 dicas!

Encaminhou diversos currículos e foi convidado para a entrevista? Que ótimo, isso já é motivo para comemorar! Afinal, significa que você já passou por um funil e agora efetivamente faz parte do processo seletivo. Mas, só de pensar fica com borboletas no estômago e com as mãos trêmulas? Calma! Uma das dicas de como se sair bem em uma entrevista de emprego é respirar fundo e deixar o nervoso de lado.

Quer saber mais algumas orientações de como chamar atenção do recrutador durante o processo de seleção? Fique aqui que a gente te conta.

9 dicas como se sair bem em uma entrevista de emprego

1. Escolha roupas adequadas

Esse é um fato simples mas que deve ser tratado com muito cuidado, pois pode fazer a diferença. Um dos principais dilemas e dúvidas de como se sair bem em uma entrevista de emprego está associado com a escolha da roupa. Será que uma calça jeans e uma camiseta é uma boa opção? E no pé, sapatênis, sapatilha ou salto? Qual a melhor opção? Pesquisar sobre o dress code da empresa é uma carta na manga. Mas, na dúvida, aposte em uma combinação mais social.

2. Mantenha a calma

Por mais difícil que seja colocar esta dica em prática, ela é uma das mais importantes. O nervosismos é o maior inimigo de quem quer se sair bem em uma entrevista de emprego. Mas, ele pode e deve ser controlado. Quando em excesso passa uma má impressão ao recrutador, de instabilidade e insegurança. É preciso mostrar-se confiante e seguro de si, isso eleva sua credibilidade e capacidade de jogo de cintura para lidar com situações inesperadas. Mas, como manter a calma diante de uma situação dessas? A dica é tentar relaxar antes mesmo de ir a entrevista. Alimente-se bem, faça algo que goste, medite e respire fundo. Confie em você e tudo dará certo.

3. Demonstre interesse

Mostre que você realmente quer aquela vaga e que é a melhor opção. Olhe nos olhos, fale com vontade, sorria, exemplifique e deixe claro para o recrutador o seu interesse. Afinal, pessoas interessadas encantam e chamam atenção de qualquer um. Essa é uma dica de mestre de como se sair bem em uma entrevista de emprego. Use-a!

4. Valorize seus pontos positivos

“Não tenho experiência nenhuma”… “Saí muito rápido do meu antigo emprego por problemas de adaptação”… “Ainda não terminei a faculdade”… Este não é o caminho! Você precisa focar e valorizar seus pontos positivos. Se mostre proativa, dedicada e responsável. Afinal, ninguém sabe tudo, mas quem realmente se sobressai é quem vai atrás do conhecimento. Mostre que você quer fazer acontecer e vai em busca de atingir os resultados. Valorize-se!

5. Prepare-se

Quer saber como se sair bem em uma entrevista de emprego? Prepare-se! Estude a empresa, se já souber quem irá entrevistá-lo, pesquise sobre esta pessoa também. Isso mostra que você está interessado na vaga e é proativo. Uma ferramenta que pode ser um grande aliado para você conseguir essas informações com mais facilidade é o Linkedin. Levar o currículo ou profile do bettha impresso também é uma forma de mostrar que você se preparou para a entrevista.

6. Tome cuidado com as palavras

Cuidado com as palavras é, sem dúvidas, uma dica de ouro de como se sair bem em uma entrevista de emprego. Nada de gírias! Palavras de baixo calão, em hipótese alguma. Use palavras que mostrem o seu repertório e conhecimento, pois este é um dos principais meios de avaliação em um processo seletivo.

7. Não minta

Outra dica de como se sair bem em uma entrevista de emprego é: Não mentir! O recrutador é um profissional formado e especializado para tal. Ele sabe exatamente quais são as perguntas ideais a se fazer, como fazer e identifica quando o candidato está criando histórias para se enaltecer. Se está inseguro por ter pouca experiência, superior incompleto, dentre outras situações. A dica é focar em seus pontos positivos e tentar levar a conversa para um outro lado, mas mentir, nunca.

8. Tenha postura

A linguagem corporal diz muito sobre como uma pessoa pensa e/ou está se sentindo. Lembre-se, desde o primeiro momento você está sendo avaliado! Sorria, olhe nos olhos de quem estiver falando, mantenha a postura ereta, todos essas ações serão vistas positivamente. Cruzar os braços, fazer movimentos bruscos, mostrar muito nervosismo ou sentar de qualquer jeito, são atitudes que não te ajudarão a se sair bem em uma entrevista de emprego

9. Seja você mesmo

A melhor estratégia é sempre ser nós mesmos! Não tente elaborar histórias e frases muito sofisticadas para impressionar pois você pode acabar se enrolando. Quanto mais natural agir, melhor fluirá a entrevista. Pense que é apenas uma conversa com uma pessoa super importante, e sua principal tarefa é impressioná-la por quem realmente você é. Respire fundo, capriche no visual, prepare-se, mostre interesse e as chances dessa vaga ser sua aumentarão.

E por último, lembre-se: o Bettha tá sempre aqui pra te ajudar a evoluir na carreira e estar cada vez mais preparado para o mercado de trabalho! Conta com a gente!

 

 

Como criar um perfil de sucesso no LinkedIn?

Hoje o LinkedIn é a principal rede social voltada aos negócios. Lá, as pessoas disponibilizam sua trajetória e experiências profissionais, se conectam com profissionais de todo o mundo, fazem marketing pessoal, e inclusive, buscam por oportunidades de emprego. Por conta disso, mantê-lo atualizado, completo e ativo é muito importante. Mas, você tem ideia de como criar um perfil no LinkedIn de sucesso? Nós te contamos!

Em 2017 a plataforma que mais conecta profissionais ao redor do mundo, atingiu aproximadamente 500 milhões de usuários, sendo destes, 29 milhões brasileiros. Isto torna o Brasil o 3º maior mercado da empresa. E se você quer aumentar as chances de entrar na empresa dos sonhos não pode ficar de fora desse número. Porém, mais que parte dele, é preciso destacar-se. Sendo assim, para te ajudar a ser visto dentro desse plataforma digital, nós do Bettha, separamos 18 dicas de como criar um perfil no LinkedIn de sucesso.

18 dicas infalíveis de como criar um perfil no LinkedIn de sucesso

Em 2017, o LinkedIn atingiu aproximadamente 500 milhões de usuários no mundo. Quase 30 milhões de brasileiros estão nessa plataforma.

1. Coloque uma foto de perfil

O primeiro passo para ter um perfil no LinkedIn de sucesso é adicionar um retrato. É comprovado que perfis com foto são consideravelmente mais vistos que os outros. Mas lembre-se, o LinkedIn é uma plataforma mais profissional, então aquela sua foto com um copo na mão pode cair bem mal. A dica é apostar em roupas e fundos mais neutros.

2. Use a abuse de palavras-chaves

Quando enviamos um currículo diretamente a um portal de recrutamento ou um e-mail, já sabemos quem irá receber. No entanto, no Linkedin a intenção é ser localizado pelos recrutadores, e uma das melhores formas de fazer isso é usar palavras-chaves. Por exemplo, caso você seja um “analista de mídia”, procure adicionar variações ao seu perfil, como: “analista de mídia online, analista júnior de mídia, mídia online”. Quanto mais variações, maiores são as chances do seu perfil ser encontrado.

3. Adicione suas experiências profissionais

Parece uma dica básica, já que o LinkedIn é um reflexo online da experiência de alguém, mas muitas pessoas falham neste ponto. Se seu objetivo é criar um perfil no LinkedIn exemplar, adicionar suas experiência profissionais é fundamental. Coloque a empresa, o período que trabalhou e suas principais funções. Importante: seja breve e o mais completo possível.

4. Formação acadêmica

É uma das informações mais importantes de um currículo. É por conta disso que, na hora de criar um perfil no LinkedIn é essencial colocar a instituição de ensino, o ano de início e término e o curso. Não tem problema caso ainda esteja cursando o curso, basta colocar a data de conclusão prevista corretamente.

5. Trabalho voluntário

Hoje tem sido uma grande alternativa para jovens com pouca ou nenhuma experiência ingressarem no mercado de trabalho. E, sem dúvidas, quem faz trabalho voluntário é visto com outros olhos. Além de fazer o bem e ajudar ao próximo esta ação vai potencializar o seu currículo. Há diversas instituições que precisam de auxílio, como asilos, creches, hospitais e muito mais. Escolha a que mais se identifica, faça a diferença no mundo e adicione ao seu perfil no LinkedIn.

Quer saber mais sobre trabalho voluntário? Dá uma olhada no post trabalho voluntário: fazer a diferença sem esperar nada em troca

6. Certificados e cursos

Imagine que você está recrutando um profissional para trabalhar na sua empresa. E está em dúvida entre dois currículos, um deles é recheado de cursos e certificados e o outro não. Quem você escolheria? A resposta é clara. Por isso, para criar um perfil no LinkedIn de sucesso é preciso adicionar os cursos e certificados que você tem. Eles irão enriquecer seu perfil e ajudá-lo a aumentar sua capacitação profissional. Existem diversas plataformas digitais que disponibilizam cursos de diversas áreas gratuitamente, faça já o seu!

7. Idiomas

Como criar um perfil no LinkedIn de sucesso? Adicione os seus conhecimentos em idiomas! O mercado de trabalho hoje “exige” uma segunda língua do profissional, e sem dúvidas, este é um fator que abre muitas portas. Além de adicionar as línguas faladas, também é possível colocar o nível que possui em cada uma delas, seja básico, intermediário, avançado ou fluente. Caso não possua o conhecimento em nenhum outro idioma a dica é apostar em cursos. Nunca é tarde para aprender.

8. Recomendações

Outro dos muitos benefícios dessa rede social é conseguir dar mais potencial ao seu perfil por meio de recomendações e habilidades. Profissionais que já trabalharam com você, professores, colegas de classe podem ir até seu perfil e fazer uma recomendação sua. O que irão escrever fica totalmente a critério deles. E você também pode recomendar outras pessoas, basta ir ao perfil deles e clicar em “fazer uma recomendação”, isso ajuda a manter o relacionamento profissional.

9. Competências

Adicionar competências também é muito importante. Por exemplo, supondo que você tenha um conhecimento em fazer gráficos no excel, você pode adicionar “gráficos no Excel” como uma capacidade. E, como nas recomendações, as pessoas podem confirmar se você realmente tem ou não essa competência ao ver delas, e vice versa. Com certeza, essa é uma função que turbina o seu perfil no Linkedin.

10. Personalize sua URL

Ao criar um perfil no LinkedIn, automaticamente é gerada uma URL similar a esta: https://br.linkedin.com/in/seu-perfil-0670435231. Ao alterar o seu endereço eletrônico com seu nome e sobrenome no lugar desses números, fica mais fácil ser encontrado. Para fazer essa alteração é bem simples: Vá a página inicial do LinkedIn e clique no ícone “Eu” na parte superior. Feito isso, clique em “visualizar perfil”, em seguida em “editar seu perfil público” e por fim em “editar url do seu perfil público” e altere conforme desejar. Exemplo:  https://br.linkedin.com/in/nome-sobrenome. Está é uma dica poderosa de como criar um perfil de sucesso no LinkedIn.

11. Aposte em artigos e publicações

Disponibilizar trabalhos feitos por você também é um jeito de mostrar sua qualificação para quem visitar seu perfil. Pode ser o TCC, um artigo científico, uma publicação, dentre outros. O importante é compartilhar seus conhecimentos. Afinal, isso ajudará a ampliar seus contatos e ajudar as empresas interessadas a te conhecerem melhor.

12. Interaja com suas conexões

Já ouviu aquele termo popular: “Quem não é visto, não é lembrado?”. Ele pode ser perfeitamente utilizado nesta exemplificação. Interagir com suas conexões é essencial para ter um LinkedIn de sucesso. Dê sua opinião, ajude seus colegas, informa-se e seja visto!

13. Mantenha seu perfil ativo e atualizado

De que adianta ter um perfil se você nunca o atualiza? Manter o LinkedIn ativo e atualizado é fundamental. Atualize seu novo emprego, adicione seu novo curso, complete com seu certificado de conclusão. Tudo isso fará a diferença.

14. Coloque seu perfil em outro idioma

Caso você já fale mais de uma língua, ter o seu perfil em outro idioma pode ser a cereja do bolo. Você pode já escrever suas experiências profissionais e instituições de ensino em inglês. Ou ainda mais prático, mudar o idioma da navegação no próprio Linkedin, depois é só traduzir o que contêm em texto.

15. Altera entre visualizações públicas e anônimas

Lembra daquela funcionalidade do orkut onde você conseguia ver quem tinha dado uma olhada no seu perfil? No LinkedIn também dá pra fazer isso! Mas, neste caso, você escolhe ter as visualizações públicas ou anônimas. Por exemplo, caso esteja entrando em perfis e não gostaria que a pessoa soubesse de tal ação, mantenha a configuração anônima. Mas, se estiver se preparando para uma entrevista de emprego e buscando mais informações sobre a empresa e sobre os possíveis futuros colegas de trabalho, deixe em pública, isto mostra que você está interessado na vaga e é proativo.

16. Aposte no design

Uma das dicas de como criar um perfil no linkedin interessante é adicionar uma capa ao fundo do seu perfil. Mas nunca se esqueça que esta é uma rede social para fins profissionais, então procure coloca uma capa que se relacione com o seu trabalho e área de atuação.

17. Deixe seu currículo, projetos e profile bettha em PDF

É possível deixar seu currículos, artigos e projetos em PDF como anexo no seu perfil. Isso faz com que seja mais fácil para as pessoas conhecer um pouco mais do seu trabalho. Uma boa dica é deixar o profile do bettha lá também, afinal, nele os recrutadores encontrarão o seu mapeamento comportamental e a informação das últimas jornadas de conhecimento que você fez na plataforma.

18. Adicione pessoas importante no mercado

Um dos maiores benefícios do LinkedIn é conectar e localizar pessoas que dificilmente você teria contato. Adicionar pessoais importantes do mercado, olhar suas trajetória profissional, suas atividades e publicações, tendem a te enriquecer ainda mais. Sabe aquela empresa que é seu sonho fazer parte? Já pensou em seguir o CEO dela? O LinkedIn te permite fazer isso.

Essas foram as dicas de como criar um perfil no linkedin de sucesso. Coloque-as em prática e, sem dúvidas, tudo isso facilitará na hora do recrutador encontrar seu perfil. Quanto mais completo e breve estiver, melhor. Mas, lembre-se de nunca parar de dedicar-se a sua vida profissional, faça cursos, vá a palestras, compartilhe experiências.

Depois conta pra gente os resultados que você teve aplicando essas dicas 🙂