Pessoa (utilizando a metodologia ágil) apontando para post-it em quadro branco
,

Metodologia ágil para gestão: muito além da área de Tecnologia

Na era da transformação digital, usar a metodologia ágil para gestão é uma opção perfeita para as organizações que buscam transformar a operação como um todo. Mas afinal, o que é a metodologia ágil?

A metodologia ágil auxilia no gerenciamento de projetos. Assim sendo, utiliza ciclos curtos para focar na melhoria contínua no desenvolvimento de um produto ou serviço.

Embora os métodos de desenvolvimento de software remontem a 1957, a metodologia ágil foi discutida com mais profundidade na década de 70 por William Royce, através do artigo sobre desenvolvimento de grandes sistemas de software. 

Mais tarde, em 2001, surge o Manifesto Ágil. O documento, portanto, representou uma “proclamação formal de quatro valores-chave e 12 princípios para guiar uma abordagem iterativa e centrada em pessoas para o desenvolvimento de software”.

12 princípios da metodologia ágil 

Existem 12 princípios-chave que ainda orientam o gerenciamento de projetos ágeis atualmente:

  1. Satisfazer o cliente, através da entrega adiantada e contínua de software de valor.
  2. Aceitar mudanças de requisitos, mesmo no fim do desenvolvimento. Processos ágeis se adequam a mudanças, para que o cliente possa tirar vantagens competitivas.
  3. Entregar software funcionando com frequência, na escala de semanas até meses, com preferência aos períodos mais curtos.
  4. Pessoas relacionadas à negócios e desenvolvedores devem trabalhar em conjunto e diariamente, durante todo o curso do projeto.
  5. Construir projetos ao redor de indivíduos motivados. Dando a eles o ambiente e suporte necessário, e confiar que farão seu trabalho.
  6. O Método mais eficiente e eficaz de transmitir informações para, e por dentro de um time de desenvolvimento, é através de uma conversa cara a cara.
  7. Software funcional é a medida primária de progresso.
  8. Processos ágeis promovem um ambiente sustentável. Os patrocinadores, desenvolvedores e usuários, devem ser capazes de manter indefinidamente, passos constantes.
  9. Contínua atenção à excelência técnica e bom design, aumenta a agilidade.
  10. Simplicidade: a arte de maximizar a quantidade de trabalho que não precisou ser feito.
  11. As melhores arquiteturas, requisitos e designs emergem de times auto-organizáveis.
  12. Em intervalos regulares, o time reflete em como ficar mais efetivo, então, se ajustam e otimizam seu comportamento de acordo.

Benefícios da metodologia ágil

Existem diversas razões para a adoção da metodologia ágil na gestão de um projeto. Entre elas, estão:

  • Maior envolvimento e satisfação das partes interessadas.
  • Entregas de qualidade superior.
  • Produtividade aumentada.
  • Maior transparência.
  • Maior flexibilidade.
  • Menos riscos 

Metodologia ágil aplicado na gestão

A princípio, a metodologia ágil foi criada com o objetivo de facilitar o desenrolar dos projetos da área de tecnologia, principalmente o desenvolvimento de software. Apesar disso, a metodologia ágil pode ser aplicada em qualquer área, inclusive na gestão.

Atualmente, vemos a metodologia ágil sendo aplicada nas mais diversas áreas como marketing, vendas e RH. Afinal, ela aumenta a produtividade, eficiência, eficácia, melhora a comunicação e ajuda a chegar no objetivo com mais simplicidade. Dessa maneira, fornece tudo o que qualquer negócio deseja ter diariamente.

Benefícios da metodologia ágil na gestão

  • Redução de desperdício por meio da minimização de recursos.
  • Maior foco nas necessidades específicas do negócio/área.
  • Maior sucesso através de esforços mais focados.
  • Maior flexibilidade e adaptabilidade para mudar.
  • Detecção mais rápida de problemas e defeitos.
  • Maior frequência de colaboração e feedback.
  • Processos de desenvolvimento otimizados.
  • Implantação mais rápida de soluções.
  • Tempos de resposta mais rápidos.
  • Maior controle.

Metodologias ágeis populares

Dentro da metodologia ágil existem diversas ferramentas. As mais populares são o Scrum, Kanban e Lean. Confira:

Scrum

No Scrum, os projetos são divididos em ciclos, chamados de sprints. Assim, cada Sprint representa um time box, equivalente a um conjunto de atividades a serem executadas. No início de cada sprint há uma reunião de planejamento, onde são definidos e priorizados os itens para o ciclo. Dessa maneira, a equipe seleciona o que é capaz de implementar durante a sprint.

A cada dia, a equipe realiza uma breve reunião, chamada de daily. Seu objetivo, portanto, é informar o que foi feito no dia anterior, identificando impedimentos para priorizar o trabalho do dia que se inicia.

Ao final de uma sprint, a equipe apresenta o que foi feito. Depois, é feito uma reunião de retrospectiva. Dessa forma, a equipe parte para o planejamento da próxima sprint. 

Kanban

O Kanban tem como foco aumentar a eficiência da produção e otimizar todo o processo. É uma gestão bastante visual. Post-its coloridos e de tamanhos diferentes são usados para representar as tarefas que precisam ser feitas, as que estão sendo feitas e as concluídas. Assim, cada grupo de post-its são separados em uma dessas três categorias.

Se você conhece o Trello, basicamente o layout dessa plataforma usa o Kanban para a organização e aumento de produtividade da equipe.

Lean

Lean significa enxuto. Esse método torna a gestão mais versátil e dinâmica. Além disso, usar somente os recursos necessários para realizar o trabalho, evitando desperdícios. 

A metodologia é baseada em três pilares:

1 – Enxugue o modelo de negócio com o Canvas

O Canvas é uma ferramenta criada inicialmente para definir um modelo de negócio ou projeto.

Para conhecer a ferramenta na prática, conheça o Canvas online aqui.

2 – Teste as possibilidades com o Customer Development

Após estruturar a tarefa com o Canvas, você deve testar suas hipóteses com uma abordagem chamada de “desenvolvimento com clientes”. Assim, troca assim informações com potenciais usuários, clientes, etc. para validação.

3 – Adote o desenvolvimento ágil

O desenvolvimento ágil obriga a perder tempo ou recursos. Assim, “ágil” se encaixa tanto na gestão de resultados como de equipes. 

Como resultado do aumento da concorrência e das mudanças do mercado, a agilidade fornece inúmeros benefícios para acompanhar o novo mundo.

À medida que mais empresas se tornarem digitais, altamente dependentes de velocidade, flexibilidade e aumento de produtividade, as metodologias ágeis serão cada vez mais necessárias. 


Os valores da metodologia ágil reforçam um RH ágil, e sua aplicação fortalece um negócio transformador, inovador e criativo.

Como estimular o talento através de growth mindset
, ,

Como o RH pode estimular talentos através do Growth Mindset

Saiba como o RH pode estimular os talentos da empresa através do Growth Mindset, mentalidade baseada no crescimento de forma a promover o desenvolvimento e a capacitação constantes. Confira!

Talento tem muito mais a ver com persistência e adaptabilidade do que com dom. Logo, deixar de considerar essas características em uma configuração organizacional pode ser altamente problemático.

Quando as organizações se concentram em talentos inerentes, os funcionários são pressionados a esconder suas deficiências e erros. Os gerentes, por sua vez, tornam-se negociadores mais fracos.

Quando a cultura organizacional está desequilibrada, presa em uma mentalidade fixa e padronizada, a organização tem dificuldades para se autocorrigir.

Para evitar esses transtornos, é possível que o RH e os líderes alavanquem as equipes através do growth mindset. Dessa forma, é possível desenvolver e lapidar os talentos já existentes, impulsionando o desempenho dos times.

O que é Growth Mindset?

O growth mindset, ou a Mentalidade do Crescimento, permite enxergar as deficiências como temporárias, ou seja, o indivíduo se aceita que pode desenvolver seus conhecimentos, por exemplo: “Mesmo que não saiba agora, eu vou aprender a liderar uma equipe”.

Quando as pessoas têm uma mentalidade fixa, elas se tornam mais frágeis, e acabam menos propensos a trabalharem duro quando encontram um obstáculo. Afinal, acreditam que, se eles não podem fazer algo, é porque eles não têm essa habilidade inata.

A partir do growth mindset, a falha realmente parece uma valiosa experiência de aprendizado. Vai além da aceitação que o esforço é necessário – o que não é falsa positividade.

Ações do RH para promover o Growth Mindset no trabalho

Eduque e treine

Consciência e compreensão são os primeiros passos para as pessoas se encarregarem de suas mentalidades para melhor alcançarem seus objetivos.

Seja em um workshop ou em uma reunião, o RH e os líderes podem aplicar algumas das técnicas de Carol Dweck para incentivar o growth mindset e o aprendizado contínuo:

  • Compartilhar histórias de pessoas respeitadas dentro ou fora da organização sobre como a mentalidade de crescimento as ajudou a alcançar o sucesso.
  • Perguntar-lhes sobre seus valores e paixões e discutir como uma mentalidade de crescimento poderia ajudá-los com essas realizações e contribuições no futuro.
  • Pedir-lhes que escrevam uma carta para um novo contratado, aconselhando o novo contratado em princípios de mentalidade de crescimento.

Nutra a paixão

A paixão é a parte central da coragem. Entretanto, sem alinhamento com interesses e valores, as pessoas têm dificuldade em manter o esforço a longo prazo e superar os desafios – não importa quão alto seja o salário.

É essencial ajudar os funcionários a identificar e perseguir suas paixões dentro de suas funções ou em projetos especiais. Muitas organizações apoiam os funcionários no desenvolvimento de habilidades não relacionadas às suas posições atuais, para que possam passar para funções dentro da organização que melhor se alinhem com suas paixões.

Mesmo que os funcionários não consigam identificar uma paixão ainda, isso também pode ser desenvolvido com o tempo. Uma cultura no local de trabalho que estimule o aprendizado e o crescimento, proporcionará a esses funcionários a oportunidade de descobrir de onde obtêm a motivação mais intrínseca.

Defina metas de aprendizado

Os líderes podem promover uma orientação para a meta de aprendizagem. Assim, podem discutir metas como desafios para os funcionários expandirem suas habilidades atuais e crescerem em suas carreiras.

Metas de aprendizado específicas e não-simples estimulam uma dedicação maior na elaboração de estratégias para a execução. Dessa forma, é possível um maior domínio das tarefas.

Sair da zona de conforto

A motivação vem de reconhecer que um grande esforço é necessário e acreditar que grandes conquistas são possíveis.

Incentive os funcionários a passarem intencionalmente algum tempo fora de suas zonas de conforto. Atribua-os a ideias inovadoras para que cada um desenvolva habilidades de liderança.

Você pode reservar períodos de tempo toda semana ou mês para experimentar novas e diferentes habilidades e ideias. Dessa forma, você também pode incentivar os funcionários a participarem de comitês ou projetos além do escopo normal.

Construa uma cultura de feedback

O sucesso geralmente requer reflexão e redirecionamento. Ver os obstáculos como oportunidades para aprender, nem sempre significa aprender como passar por eles.

O RH pode orientar os líderes a manter a equipe comprometida com valores e propósitos, ajudando-os a receber feedback com abertura para diferentes estratégias e técnicas. Incentive-os a entrarem em contato uns com os outros e com outras pessoas em quem confiam, para lhes dar um feedback honesto.

Pergunte ao seu time como você pode ser um  líder melhor para eles. Mostre gratidão pelo feedback e entusiasmo por melhorar. Isso ajuda a fortalecer a liderança e impulsionar o aprendizado.

Elogie

A maior mudança em direção ao growth mindset é elogiar o processo, não apenas o resultado. Crítico aqui é evitar falsos elogios por tentar muito, independentemente do progresso, sem expectativa de melhoria real.

Reconheça o esforço, a estratégia e a resiliência e mostre como eles contribuíram para o aprendizado, o progresso e o sucesso. Reconheça quão difícil foi para eles, como prova de sua força e melhoria.

Seja um eterno aprendiz

Quando as pessoas vêem a aprendizagem como um processo vitalício, elas podem ser mais pacientes.

A leitura parece natural agora, mas lembra do tempo e treino necessários que o fez ler bem? Do mesmo modo, os membros da sua equipe não conquistaram uma nova habilidade com maestria da noite para o dia. Portanto, permaneça realista e comemore o progresso.

O aprendizado contínuo também é empolgante. Promover a curiosidade impulsiona o domínio e a inovação, especialmente quando as pessoas com growth mindset estão curiosas sobre suas próprias capacidades.

Incentive o compartilhamento de erros como parte essencial do processo – isso é mais importante quanto compartilhar o sucesso.

A função do RH, portanto, é orientar a equipe a pedir ajuda. Facilite os recursos e as estratégias que eles precisam para redirecionar o esforço que não está levando ao progresso.


Um dos resultados mais valiosos do growth mindset é a coragem. E o que leva a coragem é a resiliência e a perseverança para alcançarem seus objetivos.

O RH das organizações que valorizam o poder do growth mindset podem construir uma cultura de pessoas curiosas e pacientes capazes de reflexão, redirecionamento e resiliência.

Nutrindo paixão, definindo metas de aprendizagem, atribuindo projetos e elogiando o processo, o RH pode promover as atitudes e comportamentos necessários de uma equipe de alto desempenho.

Quatro pessoas em uma sala, duas mulheres e dois homens. Uma mulher encontra-se sentada de frente a uma mesa apontando para um notebook, enquanto os outros 3 encontram-se de pé.
, ,

8 dicas de engajamento de funcionários para pôr em prática

A melhor forma de obter excelentes resultados da organização é promover a participação plena dos colaboradores. Conheça 8 dicas de engajamento de funcionários para garantir a produtividade na sua empresa!

Um ambiente de trabalho produtivo e que funcione bem não depende apenas da contratação de excelentes membros da equipe. Os líderes precisam garantir que seus funcionários estejam a bordo, se sintam parte da missão da organização, encontrem propósito em seu trabalho e enfrentem novos desafios.

Equipes engajadas são mais produtivas, relatam maior satisfação e têm clientes mais felizes. Organizações com funcionários engajados veem um crescimento de 2,6 vezes mais no lucro por ação. Isso claramente faz a diferença.

Clique aqui e descubra maneiras de manter os funcionários de home office felizes e engajados!

No entanto, envolver seus funcionários exige esforço constante. Mesmo aqueles de melhor desempenho podem perder o entusiasmo caso se sintam desvalorizados, insignificantes ou não reconhecidos.

O estilo “comando e controle” de uma liderança está se tornando algo do passado. Imediatamente, os líderes devem certificar-se de que os indivíduos estejam conectados à missão de sua organização.

Como engajar funcionários em 8 dicas

1. Reúna-se regularmente com seus funcionários para revisar suas tarefas e mostrar como eles se relacionam com os objetivos da empresa

Encontrar um propósito no trabalho é contagiante e une os colegas. Porém, esse propósito é frequentemente coberto pela pressão de alcançar resultados. Para se sentirem engajados, os funcionários precisam ver como o trabalho deles se relaciona com a visão geral. Dessa forma, é possível entender que eles não são os únicos que enfrentam desafios.

Os líderes devem planejar reuniões regulares que comuniquem os objetivos imediatos e de longo prazo da organização. Tais reuniões garantem que as tarefas sejam distribuídas de forma justa e criem uma atmosfera mais transparente e psicologicamente segura.

Conectar as tarefas da equipe aos objetivos é uma etapa importante na criação de um ambiente de trabalho envolvente. Compreender como as tarefas individuais atingem os objetivos da empresa e afetam os clientes ajuda os funcionários a criarem objetivos e identificarem-se com o trabalho que fazem.

Ao preparar sua resenha para a reunião, não se esqueça de manter sua apresentação curta, leve e bem-humorada.

2. Mostre interesse nas sugestões de melhoria dos seus funcionários e certifique-se de colocá-las em prática

Consulte os funcionários regularmente para discutir ideias sobre soluções e melhorias. Da mesma forma, dê aos seus funcionários a chance de participar da tomada de decisões – mesmo que indiretamente.

Você não precisa solicitar feedback de todos após cada reunião, mas ouvir e agir ativamente sobre o feedback dos funcionários é importante para ter uma equipe bem-sucedida.

Os líderes devem solicitar ideias durante reuniões individuais e mensagens privadas. Afinal, todos se comunicam de formas diferentes em cenários diferentes. Desse modo, é possível uma cultura saudável, onde o feedback é aceito e apreciado.

Entretanto, não se esqueça de responder as ideias. É importante acompanhar sua equipe para garantir que ela seja ouvida, mesmo que não ocorram alterações imediatas. Dessa maneira, reconhecer seu papel em reuniões públicas incentivará mais sugestões e melhorará o engajamento de funcionários.

Conheça outra forma de engajamento de funcionários através do endomarketing!

3. Envolva os melhores funcionários desafiando-os

Os líderes podem envolver os funcionários com melhores desempenhos, atribuindo-lhes tarefas mais desafiadoras do que o restante, como responsabilidades interdepartamentais ou designações gerenciais.

Dessa forma, eles terão mais chances de desenvolver suas habilidades e de aumentar sua motivação. Isso os manterá engajados e os preparará para uma carreira de sucesso na organização.

4. Diagnostique as razões de possíveis desligamentos

As motivações para o engajamento diferem entre os funcionários mais engajados e menos engajados. Isso significa que os líderes precisam abordar diferentes funcionários de forma diferente. Não há uma solução única para todos os casos.

Antes de pensar em como aumentar o engajamento de funcionários nesse quesito, os líderes devem primeiro identificar os motivos para a ocorrência de desligamentos. Podem ser problemas pessoais ou outros tipos de problemas que precisam ser tratados individualmente.

Você pode usar vários métodos para diagnosticar as razões por trás do desligamento de funcionários, e os métodos podem ser testados e comprovados para descobrir o que funciona melhor. Alguns funcionários preferem preencher pesquisas, enquanto outros podem preferir entrevista de desligamento.

5. Mostre que você se importa com sua equipe

Seus funcionários não são robôs projetados para entregar uma determinada tarefa. Eles são indivíduos com atributos, interesses e opiniões. Certifique-se de que eles se sintam reconhecidos, não apenas como funcionários, mas também como pessoas.

Abra-se e faça perguntas à sua equipe que não estejam relacionadas ao seu negócio. Dê a eles a chance de mostrar sua personalidade e incentive-os a trabalhar de maneira comprometida.

Precisa de um primeiro passo? Pergunte como eles passaram o fim de semana ou descubra quais são os planos para as próximas férias. Comunicação bidirecional é vital para uma relação de trabalho saudável.

Contudo, tenha cautela ao abordar assuntos pessoais. Perguntas demasiadamente invasivas podem soar falta de bom senso, ou pior, assédio. Portanto, faça perguntas generalistas. Caso perceba que um funcionário não gostou da abordagem, peça desculpas e evite entrar em assuntos pessoais com ele no futuro.

Se tudo deu certo, agora que você tem uma conexão pessoal, não deixe de dar um feedback honesto a seus colegas. Lembre-se que as pessoas precisam se sentir acolhidas e valorizadas, e não interrogadas.

6. Organize uma atividade simples de grupo toda semana

Organizar uma atividade de grupo regularmente é uma maneira divertida de reunir a equipe. Isso pode ser tão simples quanto uma festa de aniversário ou um brunch semanal.

Pense em organizar momentos casuais com base nos interesses da sua equipe. Isso pode ser uma partida de videogame, uma cerveja às sextas ou qualquer outra coisa que a maioria goste.

Busque a opinião da equipe antes da sua escolha final – a sua festa de fantasia bem-intencionada pode se tornar um fracasso se ninguém tiver interesse.

7. Agradeça

Aprecie seus funcionários quando o trabalho é feito. É fácil ignorar o trabalho duro, especialmente em grandes organizações, mas um simples agradecimento pode ser muito útil.

Os tipos mais eficazes de reconhecimento são específicos, oportunos, frequentes, visíveis e baseados em valores.

O reconhecimento é uma das maneiras mais fáceis de construir relacionamentos saudáveis e revitalizar o ambiente de trabalho.

Segundo a matéria ‘Driblando a crise’ da Exame, o reconhecimento aumenta a energia, comprometimento e entusiasmo dos funcionários. Portanto, não se esqueça de agradecer frequentemente.

8. Gamifique o processo de trabalho

A gamificação já é uma realidade na maioria das empresas. A técnica originada dos jogos de videogame aumenta consideravelmente o engajamento de funcionários. Não por acaso, ela já é aplicada em empresas como IBM, Banco do Brasil e Atento.

A gamificação utiliza o sentimento de competitividade humana para nos tornar mais envolvidos e engajados. Dessa forma, é possível usá-la para ajudar no cumprimento de entregas, incentivar alguma prática organizacional, dentre outros exemplos.

É importante se atentar na mecânica e quais serão as vantagens ou premiações que os funcionários terão ao entrar de cabeça em uma ação de gamificação. Se os desafios forem impossíveis de serem alcançados ou o reconhecimento for irrisório se comparado ao trabalho realizado, o engajamento de funcionários não irá aumentar – podendo gerar o efeito contrário.


O engajamento de funcionários é um ingrediente-chave para o sucesso organizacional. Entretanto, cabe aos líderes e ao RH garantir que suas equipes sintam-se parte importante da organização. Dessa forma, o comprometimento e os resultados serão abraçados por todos.

Conheça melhor seus funcionários, aprenda como engajá-los e capacite-os para levar a organização a um patamar cada vez mais elevado.

Rapaz diante de notebook com testa franzida e olhar de frustração enquanto passa as mãos pelos cabelos
,

Insatisfação no ambiente de trabalho: 7 dicas para identificar e resolver

A insatisfação no ambiente de trabalho é uma das maiores causas da queda de produtividade dos colaboradores. Além de aumentar exponencialmente as chances do turnover, a insatisfação de um funcionário pode contaminar todo o ambiente organizacional. Descubra 7 dicas para identificar e resolver a insatisfação no trabalho.

Você pode dizer que seu trabalho só te dá alegrias? E que acorda todos os dias, ou ao menos na maioria deles, animado e disposto para trabalhar?
Para uma parcela da população empregada, nem sempre a resposta a essas perguntas é positiva.

Muitos funcionários se sentem desmotivados e vivem a insatisfação no ambiente de trabalho. Isso deve ser motivo de preocupação para líderes, para o RH e donos de negócios.

Dentre as diversas consequências da insatisfação no trabalho, podemos citar as faltas, o descumprimento de prazos, os trabalhos sem qualidade e por último, a saída de bons funcionários.

Além da frustração e ver a empresa como um “inimigo”, a insatisfação no ambiente de trabalho custa dinheiro devido a perda de produtividade. 

Mas o que realmente causa o desengajamento? 

Se você está tentando entender sua insatisfação no ambiente de trabalho ou solucionar de vez o problema na empresa, considere estas razões comuns pelas quais as pessoas perdem o interesse.

1. Microgerenciamento

O microgerenciamento tira toda satisfação e vontade de produzir.

Além disso, diz nas entrelinhas que o líder não confia no trabalho ou no julgamento do funcionário. O que é um fator para desencadear a insatisfação no ambiente de trabalho.

Para evitar o microgerenciamento, deve-se delegar e acompanhar. Só assim é possível gerar uma relação de confiança – com consequente aumento de produtividade e desempenho.

2. Falta de progresso

O dinheiro importa, paga as contas e nos oferece conforto. Apesar disso, receber uma remuneração sem o sentimento de que o trabalho efetuado é importante reduz a importância do salário.

Em uma empresa, os processos envolvidos em sua gestão devem ser eficazes e eficientes, de forma a não estagnar o ciclo de desenvolvimento da organização.

Quando qualquer mudança ou ideia é barrada por camadas infinitas de burocracia, o funcionário que a propôs pode perder a paixão por seu trabalho.

A tendência é que o excesso de burocracia limitante leve os funcionários a se irritarem e a sentirem insatisfeitos. Assim, rever políticas que hoje atuam inibindo o progresso na empresa é a melhor solução para promover a inovação e o sucesso.

3. Insegurança no emprego

Quando estamos em um navio afundando, começamos a nos preparar para o salto, certo?

Funcionários que trabalham para empresas instáveis ou em empregos considerados “dispensáveis” não terão produtividade certa. Assim, pode ser que invistam apenas o suficiente para continuar recebendo seu salário, enquanto procuram emprego em outro lugar. 

Como líder, é extremamente difícil manter seus melhores talentos no lugar durante tempos incertos. Mas o melhor a ser feito é se comunicar com frequência, dando à sua equipe um senso de lealdade e confiança. 

Você não pode fazer as pessoas ficarem, mas você pode incentivar a transparência de ambos os lados.

4. Não há confiança na liderança da empresa

Não precisamos amar nossos líderes para sermos profissionais felizes e realizados, mas não podemos acreditar que eles sejam incompetentes. 

Uma vez que perdemos a fé nos caminhos da empresa, nossa lealdade pode ser afetada.

Assim, inspirar confiança e comunicar uma visão inspiradora tem como recompensa uma força de trabalho muito mais potente, principalmente em tempos de incertezas.

5. Reconhecimento para os profissionais errados

Quando vamos ao trabalho, gostamos de ser recompensados ​​e reconhecidos por nossas contribuições. 

Se isso não estiver acontecendo, ou pior, as pessoas que estão fazendo um trabalho medíocre estão recebendo o mesmo tratamento que as de melhor desempenho, é natural que o funcionário se desligue e faça o trabalho no piloto automático. 

O reconhecimento deve ser dado para quem realmente está desempenhando um bom trabalho. Quem não está, deve ser orientado a mudar. 

6. Má comunicação

Gastar muito tempo obtendo informações essenciais para realizar o próprio trabalho é desgastante.

Com a falta de informação, os funcionários não dispõem de dados exatos, o que gera confusão, desalinhamento e frustração.

Manter uma comunicação aberta, contínua e transparente contribui para um trabalho eficiente – e coopera com a satisfação dos colaboradores.

7. Colegas de trabalho desagradáveis

Não é obrigatório ter melhores amigos no trabalho, mas é importante construir um ambiente de respeito, educação e união para que haja harmonia e comprometimento.

Assim, a convivência com colega desagradável pode contaminar o ambiente de trabalho. Para lidar com isso, é importante que os gestores da companhia estejam sempre a par do ambiente organizacional a qual os funcionários estão expostos.

Uma boa maneira de acompanhar o clima da organização é realizar a Pesquisa de Clima Organizacional.

Baixe agora o Questionário de Pesquisa de Clima para aplicar em sua empresa!


A insatisfação no ambiente de trabalho é como uma gripe forte: se um funcionário possui essa insatisfação, ele irá contaminar todo o resto.

Assim que for identificada a ocorrência de insatisfação em algum funcionário, a ação imediata deve ser prioridade. Dessa forma, será possível construir um ambiente leve, divertido e com uma boa cultura.

Braço fora da água com céu ao fundo
, , ,

Burnout: Como reconhecer, prevenir e resolver

Conheça o burnout, o esgotamento físico e mental dos profissionais. Saiba quais são suas causas e como prevenir e lidar com o fenômeno nos profissionais de sua empresa.

Diversos mercados, como o da publicidade e de startups, são interessantes para se trabalhar. Com isso, atraem funcionários apaixonados e motivados pelo que fazem.

No entanto, esses mercados também tendem a serem mais estressantes do que outros ramos. Muitas vezes, os funcionários precisam assumir o trabalho de mais pessoas, além de lidar com preocupações frequentes.

Quando as responsabilidades se tornam cargas muito pesadas, os funcionários se esgotam. Chamamos esse fenômeno de burnout.

O que é burnout?

O burnout é um estado de exaustão emocional, mental e física causado pelo estresse excessivo e prolongado. É como se o corpo e a mente falassem: “agora chega!”

Esse estado leva ao desapego e a infelicidade afetando o desempenho, os relacionamentos e saúde do profissional. Isso pode acontecer com profissionais de qualquer área ou cargo.

O termo burnout foi criado pelo psicanalista americano Herbert Freudenberger em 1974 para descrever o adoecimento que observou em si mesmo e em colegas. Portanto, não é uma doença exclusiva de mercados publicitários ou de startups.

Na verdade, é muito comum que o burnout aconteça com profissionais que possuem um trabalho que impacte diretamente outras vidas.

“O burnout é uma condição que pode ser entendida como o ponto máximo do estresse profissional. Pode ser encontrada em qualquer profissão, mas ocorre principalmente nos trabalhos em que há impacto direto na vida de outras pessoas ou muita relação social, como no caso dos professores.” segundo a Dra. Gabriela Nuernberg, psiquiatra do Hospital Moinhos de Vento.

10 sinais que o funcionário está com burnout

É importante que os líderes reconheçam o desgaste dos funcionários antes que seja tarde demais. Aqui estão alguns dos sinais comuns de burnout:

• Fazer mais horas extras do que o habitual,

• Menos socialização e mais isolamento,

• Diminuição da qualidade do trabalho,

• Aumento de faltas por doenças,

• Trabalhar aos fins de semana,

• Sensibilidade incomum,

• Mudanças de humor,

• Falta de motivação,

• Irritabilidade,

• Fadiga.

Esses sinais acontecem de forma gradual e por fases. O sono não é capaz de reparar o cansaço físico e mental.  

Para evitar o burnout, é essencial entender suas causas subjacentes e o que pode ser feito para corrigir esses problemas.

Aqui estão quatro áreas em que você pode causar um impacto imediato e algumas maneiras fáceis de começar.

#1 – Situação: trabalho duro sem diversão ou pausas

Solução: atividades em equipe

Em uma startup, por exemplo, é fácil que os funcionários se concentrem tanto no trabalho a ponto de esgotarem. Por isso, é importante que a liderança e o RH planejem atividades fora do local de trabalho.

Organize um almoço de equipe, passe um dia na praia ou no parque, ou planeje um happy hour depois do trabalho. Essas atividades interrompem o trabalho rotineiro e permitem que os funcionários se socializem.

Planeje um evento de equipe a cada mês. Sonde os funcionários sobre o que eles querem fazer antes de decidir qual será a atividade. Dessa forma, seus funcionários ficarão animados para planejar eventos em que tenham voz, em vez de se sentirem obrigados a irem em um evento social depois do trabalho.

#2 – Situação: falta de autonomia

Solução: invista no senso de propriedade

A medida que os funcionários ganham mais autonomia em suas funções, a satisfação aumenta em paralelo. Existe uma forte relação entre satisfação no trabalho e níveis de controle e autonomia no trabalho.

Isso significa que você não precisa gastar rios de dinheiro para combater a causa do burnout.

Peça informações sobre grandes decisões. Além disso, quando necessário, capacite os funcionários a opinarem sobre novas ideias. Assim, permita que eles tenham autoridade sobre suas responsabilidades individuais, tanto quanto possível.

Esse senso de propriedade estimula um nível mais alto de engajamento e produtividade.

#3 – Situação: falta de equilíbrio entre vida pessoal e profissional

Solução: flexibilizar o trabalho

O equilíbrio entre vida pessoal e profissional é um dos aspectos mais procurados de qualquer trabalho. Além disso, é um fator especialmente importante para evitar o burnout.

A falta de equilíbrio entre vida pessoal e profissional é um dos principais motivos do turnover.

Por que o equilíbrio entre vida pessoal e profissional é um fator tão decisivo?

Quando os funcionários conseguem fazer os seus próprios horários, conseguem encaixar melhor seus afazeres pessoais e profissionais de modo que um não atrapalhe o outro.

Além disso, eles têm mais tempo para se dedicar às suas paixões e hobbys, o que dá energia necessária para recarregar a mente. Dessa forma, podem voltar a trabalhar com mais motivação.

Se não tiverem tempo para si, eles ficarão sobrecarregados e começarão a sentir-se subestimados. Esse é, geralmente, um caminho direto para o burnout.

Algumas maneiras de melhorar o equilíbrio entre vida pessoal e profissional incluem:

  • Respeitar o horário de trabalho (ou seja, o líder não entrar em contato após o expediente ou aos finais de semana e feriados),
  • Sair mais cedo todas as sextas-feiras,
  • Trabalho flexível,
  • Home office.

#4 – Situação: sem crescimento na carreira

Solução: investir em talentos

Ninguém quer se sentir como se estivesse em um beco sem saída. Embora não seja possível promover todos os funcionários, você pode procurar maneiras de ajudar cada um a crescer em sua carreira.

Por exemplo: você pode enviar funcionários para um evento, dando a eles a oportunidade de interagir e aprender. Dessa maneira, você ajuda tanto aos funcionários quanto a empresa.

Além disso, você também pode procurar maneiras de aproveitar os interesses e aptidões pré-existentes.

Por exemplo: Se a Maria do financeiro estiver interessada na área de marketing, deixe ela acompanhar a equipe de marketing. Veja se existe uma maneira de ajudá-la a fazer uma transição de áreas.

Você nunca saberá do que sua equipe é capaz se não der a oportunidade de explorar seus talentos e interesses.

O que fazer quando o burnout já se instaurou em alguém da equipe?

A organização deve reavaliar pontos da cultura que podem ter levado o funcionário ao burnout. Essa é a hora da liderança e do RH pararem, entenderem ponto a ponto e refletirem sobre possíveis soluções.

Ciente disso, o primeiro passo é incentivar o funcionário a buscar ajuda médica. Além disso, oferecer workshops com psicólogos pode ajudar a melhorar a saúde dos funcionários, como também prevenir que o burnout se espalhe como uma praga.

Uma outra forma de prevenção e soluçãoé oferecer encontros com coaches. O coaching promove o aumento das potencialidades do indivíduo para atingir os objetivos pessoais e profissionais, sem sobrecarregá-lo com inúmeras atividades.

Esses encontros podem fortalecer as competências e habilidades do funcionário. Além disso, podem ajudá-lo a se distanciar de uma próxima crise de burnout.


Todos nós estamos sujeitos ao esgotamento físico e emocional devido ao excesso de trabalho. O burnout está longe de ser uma “frescura” – é um problema sério que deve ser considerado para que a organização não caia na cultura do “work hard all time”.

Respeitar os próprios limites e os limites dos funcionários é o primeiro passo para a prevenção. Além disso, uma boa comunicação e uma avaliação da cultura organizacional também são efetivos na prevenção e cura do burnout de um funcionário.

Trabalhe ativamente para combater esse problema com atividades em equipe, oportunidades de progresso na carreira e um verdadeiro equilíbrio entre vida profissional e pessoal.

Cuidar do capital humano deve ser uma das prioridades de uma empresa. Assim, será possível segui coerentemente seus próprios valores.

Empregados felizes tornam o crescimento da empresa possível. Portanto, mantenha seus funcionários felizes e veja a produtividade, satisfação e sucesso reinar em suas vidas e no negócio.

, ,

RH ágil – uma mentalidade que leva a organização ao crescimento

Um número crescente de profissionais de RH estão explorando novas possibilidades de gerenciamento. Dessa forma, buscam fortalecer a organização aplicando uma metodologia de RH ágil em seus processos de gerenciamento de talentos.

Incorporar a agilidade na função de RH permite criar uma cultura organizacional que seja mais responsiva às necessidades de todos.

Uma organização ágil é capaz de mudar de direção com rapidez e facilidade. Assim, o RH precisa responder às necessidades em constante mudança de uma organização.

Adaptabilidade, transparência, simplicidade e unidade

Os valores da metodologia ágil reforçam a adaptabilidade, transparência, simplicidade e unidade. Dessa forma, incorporar esses conceitos na rotina pode ajudar a melhorar a prestação de serviços do RH.

A capacidade de adaptação é importante em relação às necessidades de negócios em constante mudança. Enquanto isso, a simplicidade é importante nos projetos, programas e práticas de RH. Assim, evitam-se atritos que possam afastar gerentes ou funcionários.

A unidade se aplica ao trabalho em conjunto do setor de RH, garantindo que não haja objetivos cruzados dentro da empresa. A transparência, por sua vez, é essencial para ganhar a confiança dos gerentes e funcionários e explicar por que as coisas precisam ser feitas de uma certa maneira.

Nos últimos anos, disciplinas como marketing e contabilidade foram reformuladas com sucesso em termos ágeis. Na aplicação no RH, tem sido reconhecida como um meio atualizar e alinhar a organização às demandas atuais de talentos.

RH ágil = responsivo

O RH ágil precisa ser responsivo em suas abordagens de organização da equipe e planejamento, desenvolvimento e implementação de políticas, procedimentos, sistemas e programas.

Na área de desenvolvimento, onde a metodologia ágil se fortaleceu, a agilidade requer uma cultura de capacitação. Nela, os funcionários devem ter autoridade e independência para responder às necessidades dos clientes – e isso não muda quando aplica-se nas demais áreas.

O RH pode ajudar a criar uma cultura organizacional ágil que requer que a organização tenha pessoal flexível e adaptável. Entretanto, isso demanda treinamento adequado, gerenciamento de desempenho e estrutura de remuneração.

Estratégias de um RH ágil promovem grandes mudanças

Quanto maior a empresa, maiores são os desafios para escalonar a metodologia ágil. No entanto, não é impossível colocar as estratégias ágeis em ação.

Exemplos de estratégias de RH ágil incluem:

  • Treinamento de líderes em todos os níveis da empresa para atuarem como treinadores, não como gerentes.

  • Projeção da organização em equipes pequenas e de alto desempenho que definem seus próprios destinos.

  • Criar interações com clientes em todos os grupos e funções da empresa.

  • Entregar foco e valores para manter todos alinhados.

  • Criar sistemas transparentes, ou seja, com os objetivos claros, quem está trabalhando em qual projeto, quem são os especialistas.

  • Construir um foco em aprendizado contínuo.
  • Encorajar e ensinar as pessoas a se comunicarem diretamente.

  • Contratar e promover especialistas, não gerentes.

  • Implementar uma forte marca que atraia os perfis de talentos certos para cada vaga.

  • Implementar sistemas de engajamento não apenas de sistema de registro, ou seja, colaboração, compartilhamento de informações e gerenciamento de projetos.

Em um ambiente ágil, também é importante que o RH possa ajudar a gerenciar as mudanças dentro da organização.

5 passos para tornar o seu RH ágil

Com base no artigo de Peter Cappelli, professor de administração da Wharton School da Universidade da Pensilvânia, e Anna Tavis, Professora associada de gestão de capital humano da Universidade de Nova York, conheça cinco passos para tornar o seu RH ágil.

#1 – Avaliação de desempenho mais frequentes

A avaliação de desempenho anual precisa ser abolida. Deve ser substituída por avaliações mais frequentes, para que de fato a equipe tenha um alto desempenho.

#2 – Líderes com o perfil de coaching

Empresas que adotam com mais eficácia as metodologias ágeis investem no aprimoramento das habilidades de coaching dos gestores.

#3 – Remuneração atrativa

Use os bônus pontuais para recompensar as contribuições dos colaboradores ao invés de realizar aumentos de salários anuais.

#4 – Recrutamento eficiente e rápido

A General Electric (GE) realizou alguns experimentos para acelerar seu crescimento:

“Uma equipe transfuncional passou a operar em conjunto em todos os requisitos da contratação. Um ‘gestor do quadro de pessoal’ representa os interesses dos stakeholders internos, que querem que suas vagas sejam preenchidas rápida e satisfatoriamente. Se a empresa pretende contratar, tal gestor é nomeado para integrar a equipe, e um perito em scrum supervisiona o processo”, informa os autores.

#5 – Aprendizado e desenvolvimento contínuo

Usar análise de dados para identificar as habilidades exigidas para determinadas tarefas, é uma excelente forma para sugerir os treinamentos ideais segundo suas experiências e interesses.

O RH não pode ativar a metodologia ágil se achar que precisa fornecer apenas um treinamento técnico para alcançar esse resultado – vai muito além disso.

Um RH ágil precisa incentivar os valores ágeis nas equipes de gerenciamento. Por isso, devem encorajar as pessoas a serem transparentes, corajosas, capazes de aprender com seus fracassos e a se desenvolverem como líderes.


Você já conseguiu aplicar a metodologia ágil no RH? Deixe nos comentários dicas para as empresas que estão nessa transição 🙂

Clique aqui e saiba como agilizar seu processo de recrutamento e seleção!

,

Como criar uma cultura organizacional equilibrada para todos

Nem sempre as ações da empresa agradam a gregos e a troianos. Nesse post, você vai conhecer algumas dicas para criar uma cultura organizacional equilibrada para todos os colaboradores da empresa!

Você costuma planejar eventos para os funcionários, pagar pelo almoço um dia por semana, promover a colaboração e incentivar a equipe a se conectar com a maior frequência possível.

Aparentemente tudo está indo muito bem, mas esse tipo de cultura organizacional atende alguns funcionários, não todos.

Há os que conseguem se concentrar em uma sala barulhenta, e os que não têm medo de compartilhar ideias na frente de uma multidão. Há os que preferem silêncio e os mais extrovertidos.

Por que um ambiente de trabalho equilibrado é importante?

Ter uma cultura no local de trabalho desequilibrada impede que os funcionários sejam quem são. Dessa forma, há um esforço maior para se conectarem com a empresa como um todo.

No exemplo anterior, os profissionais que não gostam de se manifestar em reuniões ou precisam de um espaço silencioso para focar, seriam colocados à margem.

As pessoas que estão fora do “padrão”, têm necessidades que precisam ser satisfeitas para se sentirem parte do tecido da organização. Em suma, elas querem se sentir parte da equipe sem sacrificar quem são ou mudar a si mesmas.

Como promover uma cultura organizacional equilibrada?

Com uma cultura organizacional equilibrada, todos os funcionários podem se sentir seguros do ponto de vista psicológico. Dessa forma, sentem-se confortáveis sendo eles mesmos, compartilhando ideias e se sentindo parte da cultura.

Na prática, os funcionários têm mais probabilidade de discutir erros, compartilhar ideias, pedir e receber feedbacks e experiências – e esse é o tipo de cultura organizacional ideal.

A seguir, entenda como você pode promover uma cultura equilibrada.

Permita horários de trabalho flexíveis

Alguns funcionários fazem seu melhor trabalho quando estão sozinhos, e, por isso, um horário de trabalho flexível é uma maneira simples de criar uma cultura mais equilibrada.

Existem algumas maneiras de facilitar um cronograma como esse, dependendo de como sua empresa funciona. Assim, considere as seguintes ideias:

  • Home office um dia por semana: toda semana, o escritório (ou equipe individual) tem a opção de trabalhar de casa.
  • Horário flexível: em vez de exigir que os funcionários estejam no escritório das 9h às 18h, ofereça horários de expediente flexíveis, onde todos os funcionários devem estar presentes ao mesmo tempo, das 10h às 16h, por exemplo.
  • Flexibilidade total: neste caso, todos os funcionários podem escolher quando querem estar no escritório e quando não querem.

Entenda os pontos fortes dos funcionários

Uma cultura organizacional excelente e bem equilibrada permite que todos os funcionários aproveitem seus pontos fortes.

Se você precisa entender melhor os pontos fortes de seus funcionários, comece incentivando os líderes de equipe e gerentes a reservar mais tempo para reuniões individuais. Dessa maneira, eles começarão a entender o que motiva os colaboradores.

Outra maneira de conhecer os pontos fortes de seus funcionários é com um teste de personalidade. Esses testes ajudam a identificar as qualidades que cada funcionário traz para a organização.

Minimize o número de reuniões obrigatórias

Se os funcionários passam seus dias indo e vindo de reuniões, isso pode atrapalhar profundamente a produtividade e limitar os seus resultados.

Você não precisa eliminar todas as reuniões para criar uma cultura organizacional equilibrada. Em vez disso, considere duas opções para tornar as reuniões mais agradáveis ​​e produtivas:

  • Enquanto algumas reuniões são necessárias, outras podem ser eliminadas. Faça uma auditoria de reunião; quais reuniões são importantes e quais podem ser removidas ou reduzidas?
  • Algumas reuniões podem até ser substituídas por atualizações de status?

Tenha em mente que reuniões curtas podem ser tão eficazes quanto as longas. Além disso, nem todo funcionário ou membro do departamento precisa participar de todas as reuniões. Concentre-se apenas nos membros críticos da equipe.

Defina limites

Um dos desafios mais comuns que os introvertidos enfrentam hoje, é que a maioria dos locais de trabalho são construídos para estimular a colaboração. De alguma forma, parece projetados para extrovertidos – desde espaços abertos, até as constantes interrupções que quebram seu foco no trabalho.

No entanto, não são apenas os introvertidos que lutam com isso. Extrovertidos que possuem cargos que necessitam de uma grande concentração, também sofrem com ambientes que geram interrupções.

A boa notícia é que você não precisa mudar de escritório ou layout para permitir um fluxo melhor. Em vez disso, tente estas ideias:

  • Implemente o sistema “churrascaria”: você já deve ter ido a uma churrascaria que oferecia um sistema de aviso que ficava na mesa, onde você seleciona se quer que o garçom pare para oferecer algum prato ou não. No escritório pode ser uma placa ou um “semáforo”:  quando estiver verde, as pessoas podem falar com elas. Amarelo significa que eles preferem não ser interrompidos. Vermelho significa: “Venha me encontrar mais tarde, estou super concentrado”.
  • Configure um sistema de reserva de sala para os funcionários usarem de acordo com a necessidade.
  • Se você não tiver salas, coloque divisores para que exista uma área de foco onde os funcionários possam se afastar das distrações.

Pequenas mudanças como essas podem ajudar a construir um espaço mais harmônico.


Para criar uma cultura organizacional equilibrada, é preciso pensar – especialmente se você tem uma cultura organizacional já estabelecida. Pesquise com os seus funcionários sobre as dificuldades que eles possuem com a cultura atual.

Faça o que for preciso, mas crie uma cultura organizacional que capacita seus funcionários a fazerem o melhor trabalho possível e, depois, observe o negócio florescer.

, ,

Trabalho flexível – o incentivo que falta para a sua empresa

Se você conhecesse o segredo para aumentar a produtividade, a longevidade e o reconhecimento da sua empresa, você não faria as alterações necessárias para alcançar esses resultados? O trabalho flexível pode ser o “ingrediente” possível de gerar todos esses resultados! Confira!

A QuickBooks realizou uma pesquisa em 2018 sobre salários e benefícios. Perguntou a 1.000 funcionários sobre sua satisfação e quais benefícios eles prefeririam de seu empregador.

Uma das perguntas foi: “qual incentivo o motivaria mais?”. Tente adivinhar a resposta.

Se você achou que foi aumento salarial, errou.

Embora o dinheiro fosse importante, 76% dos entrevistados escolheram um horário de trabalho flexível como o melhor incentivo que a empresa poderia oferecer!

O trabalho flexível está se tornando cada vez mais comum em empresas, startups e grandes corporações. Assim, é considerado um privilégio destacado em diversas pesquisas da linha “melhores empresas para se trabalhar”.

Isso porque os funcionários querem um emprego que lhes dê flexibilidade para agendar consultas médicas durante o horário de trabalho, cuidar dos filhos doentes quando necessário e muito mais.

Por que as empresas não oferecem flexibilidade? O que elas perdem com isso?

O trabalho flexível não é apenas desejado, mas também esperado por muitos candidatos a um emprego, especialmente os trabalhadores remotos.

Se muitos funcionários desejam ter trabalho flexível, por que as empresas não oferecem?

Para alguns, pode ser uma falta de compreensão – tanto do que o horário de trabalho flexível significa para os funcionários, quanto de como implementar essa política.

Horários flexíveis otimizam o dia de trabalho e melhoram a produtividade

Ter um trabalho flexível pode ser uma dádiva para muitos que buscam equilibrar a vida pessoal e profissional.

Os efeitos são perceptíveis nos primeiros dias: produtividade, foco, qualidade no sono, melhores entregas, mais energia e disposição e claro, mais tempo.

O trabalho flexível permite estar presente com a família e a otimizar o dia e sua carga de trabalho.

Faça o trabalho flexível ser o próximo incentivo da sua empresa

Por mais que o trabalho flexível permita um ritmo próprio, é importante estabelecer regras. Dessa forma, devem existir políticas que favoreçam a prática de maneira democrática e sem caos para todos.

Isto é, os funcionários devem trabalhar um número prescrito de horas por período de pagamento ou dia, e estar presentes durante um “horário base” diário.

A partir daí, é uma questão de definir metas e métricas realistas para ver se essas expectativas estão sendo atendidas.

Vantagens e desvantagens do trabalho flexível para o funcionário

Vantagens

Flexibilidade para atender as necessidades da família, obrigações pessoais e outros compromissos

O trabalho flexível permite ir a uma conferência de pais e professores durante o dia, fazer uma aula de ioga ou estar em casa quando o profissional da operadora vier para arrumar a internet.

Consumo reduzido de tempo de deslocamento dos funcionários e custos de combustível

Em algumas áreas, trajetos de mais de uma hora em cada sentido não são incomuns. Se os funcionários tiverem flexibilidade para chegar no escritório, isso economizará tempo de viagem e combustível.

Maior sensação de controle pessoal sobre o cronograma e o ambiente de trabalho

Uma das razões pelas quais as pessoas gostam de trabalhar sozinhas é a questão do controle. Ao permitir que os funcionários determinem sua própria agenda e ambiente de trabalho, você apela o espírito empreendedor que há em cada um.

Reduz o desgaste do funcionário devido a sobrecarga

Flexibilidade significa que os funcionários podem fazer uma pausa quando precisam, sem temer retaliação por parte do chefe.

Mais produtividade

Os funcionários escolhem o período que possuem mais energia e foco para trabalharem com mais disposição.

Desvantagens

Falta de sincronicidade

Alguns funcionários podem achar difícil trabalhar quando os colegas não têm o mesmo horário. É por isso que muitas empresas devem exigir dias ou horas-chave para que todos estejam no escritório.

Não há delineação clara entre trabalho e vida pessoal

Quando você usa horários flexíveis, às vezes, isso significa trabalhar o tempo todo. Se o líder permite a flexibilidade de ir ao jogo de futebol de seu filho, ele também pode não se sentir culpado por ligar para o funcionário às 21h30.

O cuidado precisa ser redobrado para que a flexibilidade não seja desculpa para pedir entregas em horários não convencionais. A flexibilidade, quem controla com algumas regras vindas da empresa, é o funcionário.

6 vantagens do trabalho flexível para a empresa

Renato Xavier, diretor de operações da Cesta Nobre, indica 6 vantagens do trabalho flexível que devem ser consideradas por qualquer empresa:

Menos faltas

A curto prazo é notável a redução de faltas e atrasos. Afinal, com um horário flexível, o funcionário consegue conciliar trabalho e vida pessoal da melhor forma.

Maior produtividade

Pessoas são produtivas em horários diferentes, é fato. Com um trabalho flexível, cada funcionário escolhe o momento mais produtivo para trabalhar. Essa vantagem não é exclusiva do colaborador, mas também da empresa.

Redução de horas extras

Horas extras e banco de horas diminuem drasticamente, pois os funcionários trabalham nas suas melhores horas. Assim, conseguem realizar mais atividades dentro do expediente.

Essa é uma vantagem bem atraente para a empresa. A flexibilidade, então, diminui os gastos com pagamentos e encargos, além de contas de água, luz etc.

Colaboradores mais satisfeitos

Essa rotina oferece uma vida mais saudável e mais equilibrada com os compromissos pessoais e profissionais. Dessa forma, os funcionários ficam mais felizes e satisfeitos com a rotina e com a própria empresa.

Quer saber mais sobre como deixar os colaboradores mais felizes? Clique aqui e descubra 9 formas de melhorar a qualidade de vida da equipe!

Retenção de talentos

O trabalho flexível torna-se um motivo com grande peso na hora de sair para um novo emprego. Geralmente, funcionários optam por permanecer na empresa devido a esse benefício.

Melhora do clima organizacional

Funcionários mais produtivos, felizes e satisfeitos, consequentemente tornam o ambiente de trabalho melhor.

A cultura torna-se mais colaborativa e potencializa o sucesso do negócio.

O que você deve fazer e não fazer quando o assunto é trabalho flexível

Disposto a dar uma chance? Aqui estão algumas primícias que devem ser feitas e alguns alertas do que não devem ser realizados na hora de implementar uma estratégia de trabalho flexível bem sucedida e benéfica, tanto para a empresa quanto para os funcionários:

Faça: comece aos poucos

Se o medo é um dos impedimentos de você oferecer trabalho flexível, vá devagar. Ofereça um dia específico, como a sexta-feira, para implementar a flexibilidade e aumente pouco a pouco o horário flexível para os demais dias.

[!] Não faça: “disciplinar” os funcionários por chegarem alguns minutos depois do “horário base”

Lembre-se, isso é sobre flexibilidade, não provando quem detém o poder. Nada vai azedar o seu novo “incentivo” do que sentimentos de medo ou raiva em torno do que deveria tornar a cultura da sua empresa mais atraente.

Faça: alinhe com a equipe

Se os horários flexíveis forem novos, não espere 100% de sucesso nas primeiras semanas.

Estabeleça métricas alinhadas com sua equipe e responsabilize as pessoas se essas métricas não forem cumpridas. Mas antes de fazer qualquer coisa drástica, fale com seu pessoal e deixe que eles descubram como melhorar os resultados abaixo da média.

[!] Não faça: excluir departamentos sem um bom motivo

Existem departamentos de qualquer negócio em que estar no escritório em um horário específico é absolutamente necessário, mas isso não significa que não haja oportunidade de flexibilidade. Por essa razão, vale estudar caso a caso.

Se realmente o trabalho flexível não é possível para algum departamento, considere uma alternativa que permita que alguns membros da equipe trabalhem em casa em determinados dias. Ou dê aos membros da equipe incentivos divertidos para que evitem sentimentos de raiva ou exclusão.

Faça: Reconheça as realizações da equipe

É mais fácil saber quando os colegas de equipe progridem quando estão a poucos metros de você, trabalhando nas mesmas horas todos os dias. No entanto, é necessário um esforço maior para descobrir as conquistas de seus colegas quando você tem horários de trabalho diferentes.

Capacitar todos a dar reconhecimento aos funcionários é uma ótima maneira de ser transparente sobre o sucesso da equipe, promover a valorização, criar objetivos e melhorar o humor de todos.

Um incentivo que pode mudar tudo

A retenção e engajamento de funcionários é impulsionada por uma variedade de fatores como pagamento justo, aumentos anuais baseados no desempenho, bônus e uma boa liderança.

Mas o equilíbrio entre vida pessoal e profissional, por sua vez, geram mais saúde mental, física e emocional aos funcionários. E não há dinheiro no mundo que pague isso.

Se a empresa começar a focar nas necessidades dos funcionários, o negócio será mais bem sucedido, inovador e com certeza mais feliz.

, , ,

Treinamento e Capacitação: uma reflexão honesta sobre sua importância

Descubra os benefícios do treinamento e a capacitação na sua empresa – assim como os riscos que envolvem a ausência da estratégia numa organização.

Na época de nossos antepassados, o estudo era negligenciado devido a necessidade de trabalhar jovem para levar sustento a família. Sendo assim, o trabalho não era associado a diplomas e certificados, mas sim a esforço e habilidade.

Hoje em dia vivemos numa outra realidade, onde a qualificação é primordial para avançar na carreira. Dessa maneira, não basta estudar uma só vez. Os estudos devem ser contínuos para acompanhar o ritmo frenético das constantes mudanças no mundo corporativo.

Apesar disso estar claro para muitas empresas, ainda existe a negligência por parte das mesmas em crer que o colaborador é o único responsável por sua qualificação – é aqui a origem de erros de gestão e alta rotatividade de pessoal.

O treinamento e capacitação de pessoas é um assunto que deve ser pauta constante para uma empresa que busca produtividade, inovação e sucesso.

Quando o treinamento e capacitação de pessoas é prioridade, todos ganham

De acordo com uma pesquisa da IBM, o aumento nos níveis de qualificação ligados ao valor do negócio, pode resultar em US $ 70.000 em economia anual e um aumento de 10% na produtividade quando as equipes são bem treinadas.

O aprendizado efetivo também pode levar a uma maior motivação e satisfação dos funcionários, à medida que os profissionais se sentem valorizados e capazes de crescer e se desenvolver em suas carreiras.

O aprendizado e a mudança estão interligados pois permitem que as organizações respondam a mudanças e se adaptem a um mercado cada vez mais competitivo.

4 verdades dolorosas quando não há treinamento e capacitação de pessoas em uma organização

1. Colaboradores não treinados é igual a colaboradores infelizes

Os funcionários que se sentem inadequados, com baixo desempenho ou sem apoio. Assim, acabam por ser improdutivos e infelizes em seus trabalhos.

Isso gera erros constantes na rotina operacional que podem gerar altos custos para a empresa.

Conheça 9 formas de melhorar a qualidade de vida dos colaboradores – e aumentar sua produtividade!

2. Colaboradores não treinados têm um baixo valor de produção

A qualidade do trabalho deixa a desejar, já que não possuem treinamento e capacitação para se desenvolverem.

3. Colaboradores não treinados são ineficientes

O tempo e esforço gastos para realizar o trabalho são muito mais altos.

Se tempo é dinheiro, reflita bem sobre capacitar o pessoal. Quanto dinheiro os seus colaboradores estão desperdiçando por não saberem ao certo como fazer suas atividades?

4. Aumento considerável em diversas despesas

É um tanto difícil rastrear ou atribuir o aumento nas despesas a colaboradores não treinados, mas esse aumento existe. Dessa forma, ignorar esse fato é o primeiro passo para o fracasso.

Clique aqui e conheça 6 indicadores de RH para otimizar a sua estratégia!

Exemplo: se um designer criou uma arte incorreta para uma impressão, isso significa que o arquivo terá de ser reimpresso, e que mais materiais terão de ser usados para corrigir o trabalho.


Treinamento e capacitação não é um custo, como muitos empreendedores podem considerar. Na verdade, é um investimento de longo prazo que trará grandes resultados ao funcionário e a empresa.

A organização tem o compromisso de oferecer meios de aprendizado aos seus colaboradores. Dessa forma, é possível fortalecer o comprometimento de toda equipe.

Como RH, lute para que todos os profissionais possam ser desenvolvidos. Seja através de treinamentos, programas ou feedbacks, busque maneiras para elevar a performance e qualidade das entregas da equipe.

Sua empresa já oferece treinamento e capacitação para os colaboradores? Quais os benefícios sentidos logo nos primeiros meses? Compartilhe nos comentários.

, ,

Timesheet – entendendo o valor real do trabalho do time

Para precificar e estimar horas de serviço, é necessário entender quantas horas são utilizadas para a realização de um trabalho. A única forma de fazer uma previsão “quase cirúrgica” é através do timesheet.

O timesheet nada mais é do que monitorar as horas de trabalho dedicadas em cada tarefa. Dessa forma, é fácil responder quanto tempo um profissional leva para desenvolver uma tarefa. A ferramenta contabiliza e relaciona as horas dos profissionais da empresa aos trabalhos propostos.

Agências de publicidade ou empresas que trabalham com prestação de serviços se utilizam do timesheet para fechar qualquer contrato. Dessa forma, não correm o risco de deixar o dinheiro “na mesa” – e não precisam recorrer às horas extras para entregar o trabalho dentro do prazo.

Os colaboradores podem “olhar torto” para o uso do timesheet, principalmente quando isso está sendo implementado. Na verdade, essa é uma ferramenta poderosa usada para ajudar no fluxo de trabalho. Além disso, permite gerenciar melhor a empresa como um todo.

O timesheet pode ser realizado por uma planilha, onde cada colaborador deve preencher, ou por ferramentas online que trazem mais precisão e possuem opções de visualização em tempo real.

Benefícios do timesheet


Um bom gestor precisa entender o valor/hora do seu profissional para gerenciar projetos internos ou externos. Um bom colaborador, por sua vez, precisa ter clareza de quanto tempo leva para realizar as atividades. Essa compreensão de ambas as partes leva aos seguintes benefícios:

  • é possível ter uma boa estimativa de horas,
  • a precificação é justa,
  • previne prejuízos – sejam financeiros ou de falta de mão de obra,
  • auxilia o gestor a tomar decisões baseadas em dados e não em achismos,
  • orienta o planejamento de atividades,
  • economiza recursos.

Olhando mais à fundo, podemos identificar as seguintes vantagens:

Reduz o desperdício de tempo medindo a produtividade

O timesheet do time pode ajudar a quantificar o tempo usado para cada atividade. Assim, permite prever possíveis problemas quando há falta de recursos que comprometem as horas trabalhadas. Dessa forma, os gestores tomam melhores decisões que podem reduzir o desperdício de tempo e ajudar a incentivar os funcionários a trabalhar de forma mais produtiva.

Elimine quaisquer dúvidas do cliente

O timesheet é a melhor maneira de garantir ao clientes que os projetos estão sendo gerenciados de forma eficaz, eficiente e produtiva. Assim, pode assegurar que seu dinheiro não está sendo desperdiçado.

Além disso, permite justificar todas as suas faturas e horas faturadas por meio de relatórios concretos e imparciais. Isso significa que os seus clientes terão menos espaço de manobra quando se trata de pagamentos. Desta forma, sua empresa poderá faturar o que merece.

O timesheet também ajuda a justificar os custos, e usando uma solução online pode ajudar você a evitar o temido tráfego de e-mails em que os clientes verificam repetidamente o progresso de um projeto. Isso torna mais fácil para os clientes verem o que está sendo trabalhado agora, quanto tempo está sendo dedicado aos projetos e quanto progresso está sendo feito a cada dia.

Acompanhe os custos do projeto

Ser capaz de acompanhar se a empresa está ganhando ou perdendo dinheiro em um projeto, é um dos benefícios mais importantes do uso do timesheet. Se você estiver oferecendo a um cliente um pagamento fixo, poderá monitorar quanto tempo está sendo gasto em um projeto (e o gasto por hora), para que você não perca dinheiro.

Aumente a eficiência com base em insights

Ter um nível tão profundo de insight sobre como a sua empresa gasta seu tempo também pode ajudá-lo a fazer grandes melhorias na maneira como a empresa executa seus projetos.

Se o RH perceber que os colaboradores caem repetidamente no mesmo estágio de um projeto, a área e os líderes de suas equipes podem investigar para ver o que está criando o roadblock. Isso pode ajudá-lo a aprimorar os fluxos de trabalho, os processos ou até mesmo a maneira como sua equipe se comunica – o que só pode ser alcançado conhecendo-se exatamente como a sua empresa está funcionando a cada hora do dia.

Economize dinheiro aperfeiçoando o RH

Compreender melhor o seu negócio pode ajudá-lo a fazer economias substanciais e necessárias que podem tornar o seu negócio mais lucrativo.

O timesheet permite identificar quais de seus funcionários são mais produtivos e eficazes. Isso significa que você pode ver com rapidez e clareza quais funcionários você deve recompensar e identificar quais funcionários estão custando dinheiro à sua empresa por meio de baixo desempenho e perda de tempo.

Estar mais bem informado também significa que você pode tomar decisões melhores em relação a recursos e equipes, e pode evitar erros de contratação dispendiosos (como atrair mais funcionários quando o volume de trabalho não é assim tão grande).

Time mais produtivo e engajado

Timesheets também podem funcionar como uma ótima maneira de aumentar a produtividade de seus funcionários, oferecendo-lhes uma maneira imparcial de rastrear seu próprio desempenho e produção.

Como conseguir que os funcionários preencham o timesheet no prazo?

Os benefícios de usar o timesheet em sua empresa são bem claros. Eles são uma maneira barata e fácil de tornar sua empresa melhor, seus clientes mais felizes e seus funcionários mais produtivos.

Mas como você os implementa rapidamente e sem causar grandes alvoroços com os colaboradores?

Comece do topo

Para começar, crie uma abordagem de cima para baixo. Determine, então, que todos os seus colaboradores de nível superior (inclusive você) comecem a usar o timesheet para ter um maior controle das horas trabalhadas.

Começar com seus funcionários de primeiro escalão e depois transferir a prática para o restante das equipes fará com que seus funcionários fiquem menos propensos a achar que o timesheet está sendo implementado para vigiá-lo. Assim, poderão aceitá-lo como uma decisão estratégica de negócios.

Incentive seus colaboradores

Para facilitar ainda mais a transição para o uso do timesheet, incentive a concorrência saudável entre funcionários e equipes. Conceda prêmios mensais à equipe ou funcionário mais produtivo e eficiente.

Quer deixar seus funcionários felizes e realizados no ambiente de trabalho? Então confira essas 9 dicas para transformar sua empresa!

Dessa maneira, você tornará o processo de monitoramento em uma atividade que seus funcionários desejam fazer.

Se você não quiser dar a seus funcionários prêmios de valor, recompense-os com aumento da hora do almoço ou um dia extra de férias. Esses incentivos ajudarão seus funcionários a adotar o timesheet mais facilmente.

Seja transparente

Crie uma cultura de transparência em seu local de trabalho, onde todos os timesheets (inclusive os seus e dos líderes) são compartilhados. Dessa forma, todos podem ver no que todos estão trabalhando, e os funcionários serão incentivados a aumentar sua produtividade.

Embora o timesheet tenha muitos benefícios, você só tirará o máximo proveito dele se o implementar efetivamente. Se seus funcionários detestarem preenchê-los e suspeitarem de seus motivos, a prática não valerá a pena.

Automatize o processo

Preencher regularmente e na hora certa é um dos maiores gargalos na metodologia. Para evitar, considere o uso de um poderoso software de timesheet que rastreia automaticamente o tempo gasto em projetos.

Soluções como o Toggl podem tornar o uso do timesheet muito mais fácil, pois o processo é automatizado e evita imprecisões.

Isso significa que seus funcionários não precisam se lembrar repetidamente de preencher exatamente o que estão fazendo a cada hora do dia. Dessa forma, podem se concentrar em seu trabalho.

Gerenciando o timesheet

Você precisa decidir que tipo de timesheet solicitará à sua equipe: diariamente, semanal, quinzenal ou mensal.

Esses são os períodos de tempo mais comuns que um timesheet pode cobrir. A frequência de pagamento da equipe ajudará você decidir a periodicidade de timesheet que funciona melhor para a equipe de contas processar.

Dados importantes para incluir em um timesheet

  • o nome do profissional,
  • as datas que o quadro de horários deve cobrir,
  • o nome do responsável para aprovar o timesheet (isso é opcional, mas pode ajudar no processamento).
  • dias da semana.
  • hora de início
  • hora final
  • quantidade de tempo de pausa (por exemplo: almoço, pausa para o café etc),
  • quantidade de tempo de viagem à trabalho (se a viagem for incluída no pagamento).
  • hora extra.

Você está pronto para implementar timesheet na sua organização?

Se esse é o momento, lembre-se de ser claro e transparente com seus funcionários. Dessa forma, tornará o timesheet em algo de valor, que os auxilia a ter um melhor desempenho. Só assim você verá todos os benefícios que o timesheet pode trazer para a sua empresa.